As árvores morrem de pé. Mas onde vivem?

As árvores morrem de pé. Mas onde vivem?

As florestas portuguesas não são tão naturais quanto seria desejável: a plantação de espécies longínquas e invasoras põe em risco de extinção várias árvores nativas da região — e a falta de ação humana está a agravar o problema

A Europa tem 454 espécies de árvores nativas, e a Península Ibérica, à semelhança das outras regiões mediterrâneas do Continente, dá um grande contributo para essa biodiversidade: o sobreiro e a azinheira a sul de Portugal; o carvalho-alvarinho no centro; o freixo, o salgueiro, o amieiro ou a aveleira em ecossistemas ribeirinhos do norte, por exemplo. Todas são espécies típicas do território português, mas isso não significa que estejam, efetivamente, “a dominar o território”: “O que se tem passado ao longo de séculos é a alteração artificial da cobertura arbórea das regiões através de plantações que alteram a sua prevalência natural”, explica Milene Matos, especialista em biologia.

A insistência em apostar em árvores não típicas da região é nociva para a flora europeia e nacional: as espécies invasoras e problemáticas são a principal ameaça à existência de mais de 60 espécies de árvores na Europa, segundo o relatório “European Red List of Trees”, do International Union for Conservation of Nature (IUCN). Seguem-se o abandono do território (cerca de 50 espécies), a desflorestação (mais de 40), as alterações climáticas e o desenvolvimento urbano (mais de 20), e os incêndios, que atualmente põem em risco a sobrevivência de menos de 20 espécies europeias. […]

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Cereja do Fundão: Este fruto gera 20 milhões de euros por ano
Próximo Charco permanente para apoio à fauna selvagem

Artigos relacionados

Dossiers

Grande plano da Revista Frutas Legumes e Flores de maio de 2021: Pequenos Frutos

Consulte aqui todos os artigos do Grande Plano de Maio dedicado aos Pequenos Frutos: […]

Últimas

Nações Unidas destinam 1,2 ME ao combate de pragas de gafanhotos no Quénia

As Nações Unidas anunciaram hoje ter destinado 1,5 milhões de dólares (1,2 milhões de euros) para ações de controlo da praga de gafanhotos do deserto no Quénia, como a fumigação de plantações e vigilância dos campos. […]

Nacional

Batata portuguesa volta à ribalta

A campanha “Batata Portuguesa – Nasce à sua Porta” está de regresso aos hipers e supermercados portugueses, pelo segundo ano consecutivo. […]