Cereja do Fundão: Este fruto gera 20 milhões de euros por ano

Cereja do Fundão: Este fruto gera 20 milhões de euros por ano

O presidente da Câmara Municipal do Fundão, Paulo Fernandes, sublinha, em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, que, nas últimas décadas se tem assistido a um aumento expressivo da área e da produção da cereja da região, acompanhado por uma progressiva profissionalização do sector. O autarca revela que no PDR2020 foram aprovados 2.840 projetos com investimentos na plantação de cerejeiras ou ligados a esta espécie com um valor elegível de mais de 15 milhões de euros e um apoio público de perto e 7,5 milhões de euros.

Todos os anos a economia da cereja do Fundão movimenta cerca de 20 milhões de euros para a economia local e, portanto, para o conjunto nacional. Quase no final de mais uma campanha promocional deste fruto estival, Paulo Fernandes, presidente da Câmara Municipal do Fundão, explica que os cerejais no concelho do Fundão abrangem cerca de 2.500 hectares e que no PDR 2020 – Plano de Desenvolimento Regional foram aprovados 2.840 projetos com investimentos na plantação de cerejeiras na região e/ou investimentos diretamente ligados a esta espécie frutícola.

Qual a importância da cultura da cereja para o Município do Fundão e para a região da Beira Interior – qual a sua evolução ao longo dos últimos anos em termos de número de explorações agrícolas, área cultivada, valores de produção, investimentos efetuados, fundos comunitários concedidos, valores de exportação e para que mercados?
O concelho do Fundão tem mais de 700 quilómetros quadrados e caracteriza-se pela dispersão geográfica, em que contrastam zonas marcadamente urbanas, como é o caso da cidade do Fundão, cuja principal atividade económica é o comércio, a indústria e as novas tecnologias, com zonas rurais, vocacionadas para as explorações agrícola, pastorícia e florestal, para a produção de fruta, azeite e vinho. […]

Continue a ler este artigo no Jornal Económico.

Comente este artigo
Anterior Caçadores repudiam proibição da caça à rola-comum e exigem compensações
Próximo As árvores morrem de pé. Mas onde vivem?

Artigos relacionados

Últimas

Presidente da Federação Agrícola dos Açores reivindica reforço do POSEI

O presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, considerou, esta quarta-feira, que o arquipélago deve lutar por um reforço do POSEI, […]

Nacional

Viana do Castelo actualiza Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios

A Câmara Municipal de Viana do Castelo aprovou, por unanimidade, em reunião ordinária de executivo, o novo Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI), […]

Nacional

Alteração do prazo limite das candidaturas do Prémio Empreendedorismo e Inovação do Crédito Agrícola 2017

Nos termos do ponto 8. do Regulamento do concurso denominado por “Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2017”, o Crédito Agrícola e a INOVISA deliberaram alargar o prazo para a entrega de candidaturas, […]