“Arquitectura Ecológica” da nova PAC reforça cumprimento de regras ambientais e de bem-estar animal

“Arquitectura Ecológica” da nova PAC reforça cumprimento de regras ambientais e de bem-estar animal

Os eurodeputados votam hoje em Bruxelas a introdução dos regimes ecológicos para a nova PAC 2021-2027, propostos pela Comissão Europeia. Implicam a adopção, a definir pelos Estados-membros, de práticas agrícolas benéficas em matéria de ambiente, clima, paisagem e bem-estar animal. O cumprimento das novas regras pode gerar bonificações nos pagamentos directos aos agricultores.

O greening, a componente ecológica obrigatória dos pagamentos directos dentro do I pilar da PAC e que, só em 2019, levou o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFAP) a pagar 172,2 milhões de euros vinculando os agricultores portugueses ao cumprimento de certos serviços ambientais, vai desaparecer da Política Agrícola Comum (PAC).

Em substituição, a Comissão Europeia propõe, para 2021-2027, a introdução dos chamados regimes ecológicos (eco-schemes, em inglês). Ou seja, uma nova ferramenta que é parte integrante da concepção e implementação da chamada “Arquitetura Ecológica”, que os “Estados-membros devem implementar a fim de contribuírem para os objectivos ambientais e climáticos específicos da PAC”, explicou ao PÚBLICO fonte europeia.

“O novo sistema nesta matéria vincula a recepção completa do apoio da PAC ao cumprimento, por parte dos beneficiários, das normas de base em matéria de ambiente, alterações climáticas, saúde pública, saúde animal, fitossanidade e bem-estar dos animais”, lê-se na proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que é votada hoje. O objectivo é “contribuir para tornar a PAC mais compatível com as expectativas da sociedade”, refere o mesmo documento.

Fonte europeia referiu ao PÚBLICO que esta abordagem “afasta-se da actualmente em vigor”, uma vez que os pagamentos directos (I pilar) no âmbito do actual greening “assentam num conjunto detalhado de regras comuns a aplicar nos diferentes Estados-membros, estabelecidas a nível da UE”. A partir de 2021, se esta proposta for aprovada, cada Estado-membro define as suas próprias regras.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Sessão plenária do PE arranca hoje novamente por videoconferência
Próximo Para o ambiente, “esta PAC vai ser bem pior do que a que temos”. Francisco Guerreiro no primeiro episódio do podcast Agenda Europa

Artigos relacionados

Nacional

A mãe deixou-lhe a terra e ele deixou a multinacional em Madrid para se tornar agricultor no Alentejo

Há nove anos a trabalhar no campo, “do lado português da fronteira”, o agricultor, oriundo da cidade espanhola de Badajoz, de 37 anos, […]

Eventos

Workshop em Armamar sobre gestão de rega em fruteiras – 11 de março

No dia 11 de Março, as instalações da Associação de Fruticultores de Armamar, no Mercado Municipal da vila de Armamar, acolhem o workshop “Gestão de rega eficiente em fruteiras”. […]

Nacional

Governo da Madeira promete manter apoios à agricultura

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, garantiu esta semana que os compromissos do Executivo regional com “o apoio à […]