Armazenamento de água desceu em todas as bacias hidrográficas em Setembro

Armazenamento de água desceu em todas as bacias hidrográficas em Setembro

Das 59 albufeiras monitorizadas (divididas pelas 12 bacias hidrográficas), 26 apresentaram disponibilidades hídricas inferiores a 40% do volume total e quatro superiores a 80%.

A barragem de Odeleite, em Castro Marim, integra a bacia hidrográfica do Guadiana. Tinha, no final de Setembro, uma disponibilidade hídrica de 40,1%.

A quantidade de água armazenada desceu em Setembro em todas as bacias hidrográficas, tal como já tinha sucedido em Agosto, segundo dados do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

De acordo com os dados disponíveis, no último dia do mês de Setembro e comparativamente ao último dia do mês anterior verificou-se uma descida do volume armazenado de água em todas as bacias monitorizadas pela Associação Portuguesa Ambiente.

Das 59 albufeiras monitorizadas (divididas pelas 12 bacias hidrográficas), 26 apresentaram disponibilidades hídricas inferiores a 40% do volume total e quatro superiores a 80%.

A bacia do Sado (28,1%) era a que apresentava no final de Setembro menor disponibilidade de água, seguido do Barlavento (34,4%), do Ave (40,5%), Arade (41,8%), Oeste (41,9%), Mira (47,9), Lima (52,5%) e Tejo (58,8%).

As bacias do Cávado (64,3), Douro (62,8%), Mondego (62,7%) e Guadiana (62,5%) tinham os níveis mais altos de armazenamento no final de Setembro.

As albufeiras com menor disponibilidade de água situavam-se em Setembro nas bacias do Guadiana e do Sado.

Na bacia do Guadiana, a albufeira de Lucefit (Alandroal, distrito de Évora) estava em Setembro com 4,8% de disponibilidade de água e Abrilongo (concelho de Campo Maior, distrito de Portalegre) com 5,6%.

No Sado, a albufeira de Campilhas (concelho de Santiago do Cacém, em Setúbal) estava em Setembro com 7,2% de disponibilidade de água e Monte da Rocha (concelho de Ourique, em Beja) com 8,8%.

Os armazenamentos de Setembro de 2019 por bacia hidrográfica apresentaram-se inferiores às médias de Setembro (1990/91 a 2017/18), excepto para as bacias do Cávado, Ribeiras Costeiras, Douro, Mondego e Arade.

A cada bacia hidrográfica pode corresponder mais do que uma albufeira.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Congresso Nacional de Zootecnia com balanço positivo
Próximo Empresa polaca de alimentos vegan procura fornecedor de bolotas biológicas

Artigos relacionados

Nacional

Viver sem plástico, carne e emissões de CO2 é o repto para a Hora do Planeta

A Hora do Planeta converteu-se “num movimento que vai muito mais além” do que apagar a luz, explicou à agência noticiosa Efe Miguel Ángel Valadares, […]

Últimas

Senadores republicanos do Oregon fogem para não passar lei ambiental

Congresso do Oregon. Os republicanos estão em minoria no Senado

Senadores estaduais do Oregon encontram-se a monte desde quinta-feira passada para não votarem uma lei ambiental. […]

Últimas

Prevenção contra fogos mobiliza quase 300 militares

Um total de 279 militares da Marinha e do Exército vão estar, entre este sábado e segunda-feira, no terreno para vigiar as zonas florestais e […]