Alterações climáticas: o que acontecerá à produção mundial de banana?

Alterações climáticas: o que acontecerá à produção mundial de banana?

Os efeitos das alterações climáticas poderão prejudicar significativamente a produção de banana em sete dos países que mais exportam a nível mundial. Entre estes países estão a Índia, o Brasil, a Colômbia e a Costa Rica. A conclusão é de um estudo publicado esta segunda-feira na revista Nature Climate Change.

Os dados demonstram também que, devido às mudanças no clima, a produção deste fruto tem vindo a aumentar desde 1961. Prevê-se que o Equador, as Honduras (dois dos maiores exportadores) e dez países africanos, entre os quais Angola, continuem a beneficiar das variações globais nas temperaturas e nos níveis de precipitação para o cultivo da bananeira, até 2050. Por outro lado, se o ritmo actual das alterações climáticas se mantiver, as condições favoráveis ao crescimento da planta podem pior drasticamente nos restantes países.

Os cientistas da Universidade de Exeter, Inglaterra, analisaram a produtividade das plantações de banana em 27 países da América Latina, Caraíbas, África subsariana e Oceânia, o que corresponde a 86% da produção mundial. Os dois maiores produtores, a Índia e a China, foram sinalizados pelos autores do estudo como “adaptáveis”. Apesar de estarem ameaçados, estes países mostram uma forte tendência para a adopção de tecnologias de cultivo que podem mitigar os efeitos negativos das alterações climáticas sobre as culturas.

Dan Bebber, cientista que liderou a investigação, citado em comunicado, avisa que é “imperativo” preparar a agricultura tropical para as consequências das alterações climáticas. “Estamos muito preocupados com o impacto de doenças nas bananas, como o fungo Fusarium, mas os impactos das alterações climáticas têm sido amplamente ignorados. Haverá vencedores e vencidos nos próximos anos e o nosso estudo pode levar países vulneráveis a preparem-se, ao investir em tecnologias como a irrigação.”

Recentemente, a Estirpe Tropical 4 (ou TR4, na sigla em inglês) do Fusarium oxysporum cubense foi descoberta em plantações de banana Cavendish na Colômbia. Esta variedade representa 99% da comercialização mundial e, embora seja resistente ao fungo Fusarium, é susceptível à contaminação pela Estirpe Tropical 4. A doença infiltra-se nas plantas através das raízes e bloqueia os vasos que carregam nutrientes, causando a sua morte. A nova estirpe do fungo surgiu em 1992, em Taiwan, alastrando-se a outros países do Sudeste asiático.

A banana é um fruto que se desenvolve em regiões quentes e húmidas, sendo uma importante fonte de energia e de rendimento para milhões de pessoas em países tropicais. Está entre as dez maiores produções agrícolas mundiais em termos de área de cultivo e de calorias produzidas, refere o artigo científico, e a sua exportação representa 15% do comércio global.

Texto editado por Teresa Firmino

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Feira Rural de Torres Vedras retorna à Cidade…
Próximo Taxing meat and dairy could help save the planet

Artigos relacionados

Últimas

Tendências de Inovação para o setor agroalimentar em 2021 – 11 de fevereiro

As Tendências de Inovação para o setor agroalimentar em 2021 estão em destaque no webinar que a PortugalFoods organiza no dia 11 de fevereiro. […]

Últimas

Boas práticas na Alimentação Animal geram Alimentação Humana mais segura

Realiza-se no dia 30 de março, terça-feira, às 10h00, o webinar SANAS – Segurança Alimentar, Nutrição Animal e Sustentabilidade. A iniciativa é promovida pela IACA – […]

Nacional

Açores/Eleições: Pedir fundos de Bruxelas para laticínios em barra “não é negócio” – IL

O líder do Iniciativa Liberal/Açores, Nuno Barata, considerou hoje que reivindicar mais fundos comunitários de Bruxelas para o POSEI e a exportação para vender manteiga ou queijo em barra […]