AHRESP contra eliminação “precipitada” e sem base científica da carne de vaca

AHRESP contra eliminação “precipitada” e sem base científica da carne de vaca

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) disse hoje discordar de “medidas tomadas de forma precipitada” e sem base científica, como a eliminação da carne de vaca nas cantinas universitárias de Coimbra.

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, a AHRESP diz “não concordar com medidas tomadas de forma precipitada e que têm como base um desconhecido racional científico” e diz estar disponível para “em colaboração com o Governo” participar na educação dos consumidores.

“O consumo de carne de bovino, ou de qualquer outra proteína animal – cuja produção deve ser controlada, segura e sustentável – deve ser sempre moderada e seguir as regras do equilíbrio nutricional. O que importa é a quantidade, a forma e a frequência com que se come”, lê-se na nota da AHRESP.

A associação acrescenta que “as preocupações de promoção de hábitos alimentares equilibrados fazem já parte do trabalho desenvolvido no setor”, garantindo que “disponibiliza menus diversificados e aplica boas práticas alimentares nos seus estabelecimentos”.

“As nossas empresas estão, aliás, disponíveis para, em colaboração com o Governo, serem um veículo privilegiado de informação para os consumidores, colaborando na preparação e divulgação de conteúdos informativos para a educação do consumidor”, conclui a nota.

O reitor da Universidade de Coimbra (UC), Amílcar Falcão, anunciou terça-feira que vai eliminar o consumo de carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de janeiro de 2020, decisão que gerou reações de associações de vários setores.

A carne de vaca será substituída “por outros nutrientes que irão ser estudados, mas que será também uma forma de diminuir aquela que é a fonte de maior produção de CO2 que existe ao nível da produção de carne animal”.

“Vivemos um tempo de emergência climática e temos de colocar travão nesta catástrofe ambiental anunciada”, sublinhou o reitor da UC, numa intervenção perante centenas de alunos.

Entretanto, na sequência desta polémica, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, considerou ser “relevante” que uma Universidade como a de Coimbra “tudo faça” com o objetivo de ser neutra em carbono e na quinta-feira a Associação Académica de Coimbra disse estar de acordo com a medida.

Mas associações de vários setores criticaram a ideia, tendo a Confederação Nacional da Agricultura (CNA) considerado a “interdição do consumo de carne de vaca nas cantinas da UC” uma decisão “demagógica e errada”.

Numa nota enviada à agência Lusa, a CNA falou em “extremismo, que converge com outras posições radicais”.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Estudo prevê mais dois a três graus no Tâmega e Sousa nas próximas décadas
Próximo Casa Ermelinda Freitas ganha melhor vinho português no Japão

Artigos relacionados

Últimas

Grândola: Feira de Agosto promove produtos endógenos

A Feira de Agosto, a maior feira festa do Litoral Alentejano, começa no próximo dia 22, em Grândola, e destaca nesta edição os produtos endógenos do concelho. […]

Últimas

Conclusões do projeto AgroMeg apresentadas em Seminário

Em análise estarão os fatores críticos de competitividade e oportunidades de inovação na fileira agroalimentar da margem esquerda do Guadiana
É […]

Sugeridas

Sessão de Apresentação do Guia Culturas GM e Políticas na EU – 29 de Novembro 2017 – Lisboa

A Associação Europeia das Bioindústrias (Europabio) publicou um caderno sobre culturas geneticamente modificadas (GM) – Guia Prático – Culturas GM e Políticas na EU -, […]