Estudo prevê mais dois a três graus no Tâmega e Sousa nas próximas décadas

Estudo prevê mais dois a três graus no Tâmega e Sousa nas próximas décadas

De acordo com o Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas no Tâmega e Sousa, os termómetros subirão em termos médios entre dois e três graus centígrados no período de análise, entre 2041 e 2070, com uma tendência acentuada nos territórios mais afastados do litoral e de altitude.

As previsões foram realizadas pela equipa multidisciplinar que realizou aquele trabalho, envolvendo especialistas das universidades do Porto, Minho e Trás-os-Montes e Alto Douro.

Os técnicos presentes na apresentação previram que haverá naquele período mais dias com temperaturas superiores a 25 graus, menos precipitação ao longo do ano, com eventos extremos no inverno, e que os rios Tâmega e Sousa vejam o seu caudal médio diminuído face aos registos atuais.

Previram, ainda, que haja mais incêndios florestais e que a área ardida possa triplicar, face a verões mais secos e prolongados.

Ainda no domínio dos cenários, aponta-se para impactos negativos na fauna e flora, com o desaparecimento de espécies mais dependentes das zonas húmidas e maior risco de proliferação de espécies exóticas invasoras, sobretudo nas áreas e montanha.

A população no conjunto dos 11 municípios deverá manter a tendência de decréscimo, sobretudo nos concelhos mais afastados do litoral, como Resende, Cinfães e Baião, em linha com a percentagem de 5% a 14% prevista para o conjunto da região norte, até 2040.

Na área da economia, o setor primário será o mais afetado com as alterações climáticas, sobretudo a viticultura, com grande importância no território, prevendo-se a necessidade de maiores quantidades de água de rega para assegurar valores de produção equivalentes aos atuais. Acentuar-se-á, também, a procura por terrenos de cultivo com maior altitude, para compensar a subida das temperaturas médias.

O estudo académico deixa, ainda, algumas sugestões de medidas a tomar para mitigar o impacto das alterações climáticas no território, nomeadamente a criação de um Sistema de Avaliação de Adaptação Socioeconómico e elaboração de um Plano de Adaptação às Alterações Climáticas, entre outras medidas.

No encerramento da apresentação, que se realizou em Penafiel, o presidente da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, Armando Mourisco, assinalou o caráter “inovador” daquele plano em termos nacionais e reforçou a importância que terá para os municípios, empresas e cidadãos.

Perante representantes políticos de vários municípios, o autarca de Cinfães acentuou que as alterações climáticas são um tema que “deve ser tratado com responsabilidade por todos”, com medidas assentes “em instrumentos com um rigor científico enorme”, como o estudo hoje apresentado, indicou.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Modernização nos amendoais promove aumento do rendimento unitário
Próximo AHRESP contra eliminação "precipitada" e sem base científica da carne de vaca

Artigos relacionados

Últimas

Semear o futuro

É comum ouvirmos falar de Realidade Aumentada em jogos e entretenimento como o Pokemon GO – desde aqueles filtros do Facebook em que arco-íris brotam dos nossos ouvidos até […]

Nacional

“O desafio passa por fazer uma intensificação sustentável e tornar o sistema resiliente”

É especialista em micorrizas arbusculares em contexto de agricultura de conservação, um tema que estuda há 25 anos. Isabel Brito, professora na Universidade de Évora, […]

Últimas

AlgaEnergy faz balanço positivo da sua presença na Infoagro

O sector hortofrutícola atravessa uma boa fase. Isso mesmo ficou patente na mais recente edição da feira Infoagro, ponto de encontro para os profissionais do sector internacional das frutas e legumes e que decorreu em Almería, […]