A estratégia agrícola e a agenda mediática: o exemplo do croquete – Rui Veríssimo Batista

A estratégia agrícola e a agenda mediática: o exemplo do croquete – Rui Veríssimo Batista

Com o sector primário não se brinca – é primário porque é a base da economia. Lembre-se o confinamento: faltaram alimentos? Não, mas também não foram as hortas nas varandas que alimentaram o país.

Há uns tempos fui jantar a um restaurante dos modernos, com cozinha de autor. Naquela noite apetecia-me ter uma experiência gastronómica, assim se diz hoje. Reservei mesa, porque estes restaurantes estão sempre cheios à sexta-feira à noite. Pedi um TVDE (os antigos Uber) e lá fui ao restaurante.

Entrei e começou o ritual do costume: “O que querem tomar, etc…”  Foi-me então entregue o menu, que li com inegável atenção, dado os muitos neologismos utilizados na designação dos pratos gastronómicos de elevada categoria. Após o típico momento de indecisão que carateriza a escolha do prato, optei por um desfiado de carne envolto em capa crocante de cereais das planícies do Alentejo, perfumado com azeite extra virgem de Trás-os-Montes.

Feito o pedido, esperei cerca de 20 minutos até que uma mulher na casa dos 30, com um olhar vivo e transbordando simpatia, colocou à minha frente um prato magistralmente decorado. Ao dar a primeira garfada, cheio de expectativa, percebi que afinal aquele desfiado de carne crocante não era mais do que um digno e delicioso croquete. Adoro croquetes, e, mais, tornei-me fã do croquete.

Esta minha experiência gastronómica fez-me pensar que a agricultura moderna e intensiva, que tanto espaço ocupa na agenda política atual, também é um sistema de produção de elevada eficiência na utilização dos recursos naturais, envolto numa capa de enorme tecnicidade e inovação, e perfumado pela produção de alimentos seguros e sustentáveis. Não é por se mudar o nome que as coisas se tornam diferentes. Os nutrientes de um croquete são os mesmos do desfiado. Um croquete bem feito é delicioso, um desfiado de carne crocante mal feito é um desastre. Não é o sistema produtivo que merece ser atacado, são as más práticas que devem ser denunciadas.

Apenas uma agenda ideológica intencional pode explicar o ataque que hoje se faz à agricultura moderna. Potenciam as palavras, e tão-só as palavras, para caracterizar um setor. Sendo intensivo destrói recursos; se é monocultura, mata a biodiversidade. O mediático é que conta, alimenta a luta política e aduba os interesses do ciclo eleitoral.

Este mediatismo é a universidade que gradua […]


Rui Veríssimo Batista

Agricultor

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Predominio de las subidas en los precios de almendras
Próximo Nove concelhos dos distritos de Faro e Santarém com risco muito elevado de incêndio

Artigos relacionados

Nacional

PEV insiste na proibição de financiamento público às touradas

O Partido Ecologista Os Verdes vai voltar à guerra contra as touradas, entregando nesta terça-feira um projecto de lei que proíbe qualquer financiamento público aos espectáculos tauromáquicos, […]

Últimas

Mercado de gado de Rates retoma na segunda-feira, mas autarquia está contra

A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim manifestou-se este domingo “frontalmente contra” a realização do mercado de gado de Rates, suspenso desde o dia 14 devido à pandemia, […]

Nacional

FarmDroid FD20: o robot amigo da agricultura biológica. Semeia e destrói ervas daninhas ao mesmo tempo

O FarmDroid FD20, robot de cultivo e remoção de ervas daninhas, de forma mecânica, é 100% eléctrico. Tem uma autonomia de até 24 horas de trabalho. E para recarregar as baterias, não há necessidade de ligar a máquina à […]