A dieta pelo planeta

A dieta pelo planeta

[Fonte: Público]

Há muitos anos que os médicos nos recomendam que comamos menos carne porque isso será melhor para a nossa saúde. Esta semana, uma centena de especialistas de 52 países pertencentes ao Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas juntaram-se a eles para nos dizer que a forma como nos alimentamos nos países mais ricos faz-nos mal a nós, mas também está a ter consequências terríveis para a saúde do planeta.

O relatório divulgado na quinta-feira explica que aos excessos acumulados pelo nosso consumo energético, pela extracção de recursos naturais, pela poluição, há que juntar a utilização que fazemos do solo, que será responsável por entre um quarto e um terço de todas as emissões de gases com efeito de estufa. E quando referem a utilização do solo, estão a falar dos efeitos da agricultura e da produção de alimentos, que vai desde os terrenos que são roubados às florestas, até aos gases emitidos pelo transporte dos produtos.

Os cientistas deixam bem claro que se não alterarmos a forma como nos alimentamos nos países mais desenvolvidos e, gradualmente, nos países em vias de desenvolvimento, o planeta vai continuar a aquecer até se tornar inabitável. E isto é ainda mais terrível quando se percebe que, actualmente, entre 25% e 30% da produção de alimentos é desperdiçada ou perdida, num planeta em que 2000 milhões de adultos têm excesso de peso ou são obesos.

Porque desperdiçar não é só deitar fora alimentos, é também comer para além do necessário, o que o relatório vem sublinhar é que se a nossa cultura de abundância é prejudicial para as artérias, é-o também para o planeta. Reduzir o consumo de carne e de gorduras animais, cuja produção tem um efeito devastador, substituindo-a por um consumo de vegetais, frutas e cereais, torna-se um imperativo civilizacional. E é uma opção individual que pode ajudar a inverter um problema gravíssimo que só o analfabetismo negacionista se recusa a reconhecer e assumir como prioridade política.

Haverá muitos gastrónomos que torcerão o nariz a alterar os seus hábitos alimentares e acharão que reduzir a posta mirandesa ou a picanha é sacrifício a mais por um incerto e às vezes difícil de percepcionar destino comum. Mas então sejam egoístas e pensem que na linha da frente das vítimas das alterações climáticas estão as oliveiras e as vinhas. Se não conseguem pensar com a cabeça então pensem com o estômago. O planeta e a Humanidade agradecem.

Comente este artigo

O artigo A dieta pelo planeta foi publicado originalmente em Público.

Anterior "Agricultores não aderem a seguros de colheita"
Próximo El melón se paga un 60% más barato que hace un año

Artigos relacionados

Nacional

Sementeira aérea em Silves permite estabilizar solos após fogo de Monchique

[Fonte: Gazeta Rural]

O secretário de Estado das Florestas, Miguel Freitas, destacou a importância da sementeira aérea iniciada hoje na Herdade da Parra, em Silves, para evitar a erosão e estabilizar solos na serra de Monchique após os incêndios de 2018. […]

Nacional

Dia de Campo para atestar capacidade produtiva da Colza

[Fonte: Voz do Campo]

No âmbito do GO OleoColza  – Validar a Capacidade Produtiva da Colza – a parceria que o integra vai promover o no dia 19 de março o primeiro Dia de Campo OleoColza.
O evento decorre ao longo de todo o dia e consiste em visitar as parcelas experimentais e demonstrativas situadas no Ribatejo (Sociedade Agrícola Quinta da Alorna e Sociedade Agrícola Quinta da Lagoalva de Cima). […]

Últimas

Carlos Oliveira nomeado conselheiro do Conselho Europeu da Inovação

[Fonte: ECO]

O ex-secretário de Estado Carlos Oliveira foi nomeado esta quinta-feira pela Comissão Europeia como conselheiro do Conselho Europeu de Inovação (CEI). É o único português num grupo de 22 peritos.
Carlos Oliveira, presidente executivo da Fundação José Neves (Farfetch), […]