A 12 anos de uma potencial catástrofe climática – como recuar da beira do precipício?

A 12 anos de uma potencial catástrofe climática – como recuar da beira do precipício?

[Fonte: Jornal De Negócios]

A temperatura média subiu 1°C desde a década de 1850, mas esse valor pode acelerar rapidamente para 1,5°C nos próximos 12 anos, o que poderia traduzir-se numa perda irreversível de glaciares, e uma subida de subida do nível do mar de vários metros.

Com um aquecimento acima de 2°C, tudo pode acontecer. Os recifes de coral morrerão, centenas de milhões de pessoas sofrerão mais do que com uma subida de 1,5°C, e haverá impactos inimagináveis na natureza e nos ecossistemas dos quais dependemos. A investigação científica indica que isso pode acontecer dentro dos próximos 12 anos e segundo a ONU, se continuarmos na trajectória actual, seriam precisas duas Terras para acompanhar o crescimento do consumo e da população.

Então o que devemos fazer de forma diferente? É essencial haver novas abordagens na política, na economia e na sociedade. Por um lado, as alterações climáticas são o desafio global mais complexo da história da humanidade. Mas por outro, também pode ser simples: “limpar” a economia mundial dará uma resposta a este problema, tornando-nos mais felizes, saudáveis e prósperos. Foi disso que falei com o Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, em Lisboa na semana passada.

Energia, transportes, agricultura e indústria mais limpos e sustentáveis, traduzem-se em energia mais barata, mais e melhores empregos, ar mais limpo, melhor saúde e nutrição, e cidades mais habitáveis. O “Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050” de Portugal demonstra como o Governo Português está a levar esta questão muito a sério, à semelhança do Governo Britânico. 

Todos têm um papel a desempenhar. As crianças estão a mostrar aos pais o caminho certo, reciclando e preocupando-se com os animais e o meio ambiente. Os cientistas devem comunicar eficazmente as provas que existem. A comunicação social deve noticiar o que está a acontecer. As empresas devem limpar as suas cadeias de abastecimento e abraçar uma economia circular de baixo desperdício. A sociedade civil deve ajudar as comunidades a envolver-se e a agir. Os governos devem criar estruturas que sustentem esses esforços. 

Há muitos sinais encorajadores. Em 2018 o RU comemorou o 10º aniversário UK 2008 Climate Change Act – a primeira lei climática em todo o mundo – e reduziu as emissões de carbono “per capita” mais rapidamente do que qualquer país do G20. Celebrámos recentemente o nosso 1º dia sem energia à base de carvão, desde 1882. Portugal está na primeira linha das energias renováveis, tendo como objectivo produzir 80% da energia a partir de fontes renováveis até 2030. Partilhamos o interesse pela energia eólica offshore. O RU detém 40% da capacidade eólica offshore mundial, e Portugal está a construir o seu primeiro parque eólico offshore na costa norte do pais. O sector das tecnologias com baixa emissão de carbono no RU está a crescer a um ritmo quatro vezes superior do que o resto da economia. Mas há muito mais a fazer no RU e a nível internacional, juntamente com parceiros como Portugal.

Este é um desafio global que abrange finanças, saúde, educação, energia, agricultura, indústria, habitação e transportes. Temos de assumir os prejuízos que causámos, e a escala e a urgência do desafio. Mas também temos de ter energia para agir, para bem dos nossos filhos e das gerações futuras. Podemos e devemos passar de uma abordagem que destrói o nosso ecossistema, para outra que prospera dentro dele.

Representante Especial do Governo Britânico para as Alterações Climáticas

Artigo está em conformidade com o antigo Acordo Ortográfico

Comente este artigo

O artigo A 12 anos de uma potencial catástrofe climática - como recuar da beira do precipício? foi publicado originalmente em Jornal De Negócios

Anterior Câmara de Anadia aprova plano municipal de defesa da floresta contra incêndios
Próximo Tempo agrava-se nos Açores com previsões de ventos superiores a 100 km/h

About author

Artigos relacionados

Nacional

​Autarca de Pedrógão Grande rejeita condição de arguido

[Fonte: Rádio Renascença]

A defesa do presidente da Câmara de Pedrógão Grande apresentou um recurso na fase da instrução que decorre no Tribunal de Leiria para que Valdemar Alves deixe de ser arguido.
Manuel Magalhães e Silva, defensor de Valdemar Alves, […]

Nacional

Fogos de outubro contam para a candidatura ao Fundo de Solidariedade

O Governo vai atualizar a candidatura ao Fundo de Solidariedade Europeu com os fogos de 15 de outubro, estando em perspetiva a alteração do grau de desastre regional para grande catástrofe, disse esta segunda-feira o executivo.
A atualização da candidatura deve decorrer até ao natal e, […]

Últimas

Conferência anual da Ação COST EuroXanth – 13 e 15 de Dezembro 2017- Coimbra

O Instituto Pedro Nunes, através do FitoLab – Laboratório de Fitossanidade, recebe a primeira conferência anual da Ação COST “Integrating science on Xanthomonadaceae for integrated plant disease management in Europe” focada nas bactérias fitopatogénicas Xanthomonas sp. e Xylella fastidiosa.
A conferência decorre entre 13 e 15 de dezembro, […]