15 anos depois de plantado Alqueva revela o maior bosque ripícola de Portugal

15 anos depois de plantado Alqueva revela o maior bosque ripícola de Portugal

[Fonte: EDIA] Quando há cerca de 15 anos a EDIA criou a Albufeira de Pedrógão, foram plantadas 65 mil árvores de espécies ripícolas autóctones como medida de compensação pela área a submergir no Rio Ardila.

Hoje, nas cabeceiras deste afluente do rio Guadiana, existe o maior bosque ripícola de Portugal plantado pelo homem.

São três as espécies de árvores que compõem este bosque e que ocupa uma área com cerca de 200 hectares contínuos ao longo das margens deste rio, hoje albufeira de Pedrógão: Choupos, Freixos e Lódãos.

A largura deste bosque chega a atingir os 800 metros, 400 para cada margem, criando um verdadeiro oásis para a fauna e flora característica destes habitats, como são o caso das aves, entre elas várias espécies de Pica-pau, que encontra na madeira macia dos Choupos, o lugar ideal para “escavar” os seus ninhos.

Esta intervenção teve por base o plano de florestação da EDIA e que foi composto por três níveis de compensação, nomeadamente nas áreas junto à margem; áreas na envolvente territorial das albufeiras (500m) e áreas já incluídas no território envolvente mais distante.

A intervenção implementada nas cabeceiras do Rio Ardila teve como base o primeiro nível que, para além da compensação da galeria ripícola então existente no rio Ardila, visou a criação de um filtro natural para as escorrências que afluem à albufeira, melhorando a qualidade da água, ao mesmo tempo que as próprias árvores constituem agora exemplares dadores de sementes para a regeneração do próprio bosque, hoje muito visível.

Para chegar até aqui, a EDIA geriu esta área de forma criteriosa, nomeadamente regando os jovens exemplares das diversas árvores até à sua fixação e impedindo que o gado invadisse este território e destruísse a vegetação.

Estas são medidas de compensação ambiental levadas a cabo pela EDIA no âmbito do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, mas que só a médio e longo prazo, têm a grandeza que este bosque agora revela.

Comente este artigo
Anterior CAPOLIB promoveu seminário sobre a ruralidade e assinou protocolos de defesa da floresta
Próximo Importadores de vinho de 12 países no In Douro Wine Export Business

Artigos relacionados

Últimas

Exclusivo RC: Capoulas Santos faz balanço do mandato como Ministro da Agricultura (c/som)

[Fonte: Rádio Campanário] Luís Capoulas Santos, ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, esteve aos microfones da Rádio Campanário a fazer um balanço do mandato que termina no próximo dia 6 de outubro. […]

Sugeridas

Setor do azeite está a viver dias “muito difíceis” no Douro e Trás-os-Montes. “A questão do bagaço tornou isto num verdadeiro pesadelo”

Olivicultores e lagareiros do Douro e Trás-os-Montes queixam-se de uma “campanha difícil” devido à diminuição do preço do azeite e da azeitona e ao “inesperado custo” de transporte e tratamento do resíduo bagaço, […]

Comunicados

Alteração da ZPE do Tejo Internacional, Erges e Ponsul – Proprietários rurais e gestores contra alargamento de ZPE em mais de 350% quando Governo corta 17 M€ nas medidas de apoio à Rede Natura 2000

Os proprietários rurais são responsáveis por atividades agro-florestais essenciais, em muitos casos, para a conservação da natureza e gestão da biodiversidade (CN &B). […]