CAPOLIB promoveu seminário sobre a ruralidade e assinou protocolos de defesa da floresta

CAPOLIB promoveu seminário sobre a ruralidade e assinou protocolos de defesa da floresta

O Auditório Municipal acolheu na passada sexta-feira, dia 6 de setembro, o seminário “Viver na Ruralidade – Ajustamento e Diversificação na Floresta”, organizado pela Cooperativa Agrícola de Boticas (CAPOLIB), com o apoio do Município de Boticas.

O colóquio, que contou com a participação de cerca de uma centena e meia de agricultores e criadores de gado, bem como responsáveis de conselhos diretivos dos baldios do Concelho de Boticas, teve como temáticas o mundo rural e os setores agropecuário e florestal.

Foi apresentado o programa das “cabras sapadoras da pastorícia na defesa da floresta contra incêndios” e destacada a constituição e dinamização dos Agrupamentos de Baldios, nomeadamente o agrupamento do Concelho de Boticas.

Durante o seminário foram ainda assinados protocolos de cooperação de defesa e preservação da floresta do Barroso entre a CAPOLIB e quatro entidades: a Forestis – Associação Florestal de Portugal, Município de Boticas, Gestores de Baldios do Concelho de Boticas e Produtores Pecuários de Pequenos Ruminantes.

A sessão de encerramento contou com a presença do Presidente da CAPOLIB, Albano Álvares, do Presidente da Forestis, Luís Braga Cruz, do Presidente da Câmara de Boticas, Fernando Queiroga, e do Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas.

Albano Álvares destacou “o empenhamento das diversas entidades em contribuir para o desenvolvimento e para uma boa gestão florestal deste território”.

Por sua vez, Fernando Queiroga referiu que “foi dado um passo importante na valorização e preservação da riqueza natural existente na região do Barroso, a única em Portugal a ser distinguida como Património Agrícola Mundial”.

Por último, Miguel Freitas afirmou que “o interior do país necessita de mais investimento e apoios comunitários”, ressalvando que “esta é uma medida urgente e necessária para os territórios rurais”.

O artigo foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Comente este artigo
Anterior A ideia era um projeto de vida para a reforma. O resultado foi um vinho premiado nos melhores concursos internacionais
Próximo 15 anos depois de plantado Alqueva revela o maior bosque ripícola de Portugal

Artigos relacionados

Nacional

Desagravou-se a seca no continente, mas Algarve mantém seca extrema

24,5% do continente estava em seca fraca, 23,8% em chuva fraca, 23,3% em seca moderada e 10,9% em seca severa. Sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema. […]

Últimas

Fernando Martins, Diretor Regional de Agricultura e Pescas da Beira Interior

“Somos uma instituição pública de Serviço Público que ambiciona acrescentar valor ao setor agrícola”
Fernando Martins é licenciado em Agronomia pelo Instituto Superior de Agronomia (1989) e exerce funções de Diretor Regional da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro desde dezembro de 2018. […]

Últimas

Fundos devem ser atribuídos num prazo de 60 dias, mas chegam ao “mar” com 49 dias de atraso

Os beneficiários do Programa Operacional do Mar têm, em média, as suas candidaturas aprovadas em 109 dias e não nos 60 que estão definidos no Acordo de Parceria que regulamenta o Portugal 2020. […]