Xylella fastidiosa detetada em Sintra

Xylella fastidiosa detetada em Sintra

Xylella fastidiosa detetada em plantas de alecrim na região de Massamá e Monte Abraão (Sintra)

Em resultado dos trabalhos de prospeção oficiais, conduzidos pela Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo (DRAPALVT), no contexto do Plano de Ação Nacional para o Controlo da Xylella fastidiosa e seus vetores, foi obtido um resultado positivo para esta bactéria, numa amostra colhida num canteiro de plantas de alecrim existentes num espaço público em zona urbana.

A determinação da subespécie da bactéria encontra-se ainda em curso.

Os serviços de inspeção fitossanitária da DRAPALVT, em estreita articulação com a Direção Geral de Alimentação e Veterinária, estão já a implementar as medidas fitossanitárias em conformidade com a regulamentação da União Europeia, no sentido de se averiguar a origem da infeção, e proceder à sua erradicação.

Na zona infetada, uma área de 50 metros em redor das plantas infetadas, foi realizado um levantamento intensivo das plantas aí existentes e foram colhidas 44 amostras, cujas análises decorrem no Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária.

Foi estabelecida uma zona demarcada, que inclui a zona infetada e uma zona tampão de 2,5 km, na qual estão a ser feitas amostragens intensivas a outras plantas suscetíveis à bactéria, assim como a averiguação da existência de insetos vetores.

Lisboa, 10 de agosto de 2021


Xylella fastidiosa é uma bactéria que afeta muitas espécies importantes, tais como oliveira, amendoeira, cerejeira, citrinos, videira e sobreiros e diversas ornamentais, incluindo lavandas, rosmaninho, loendros e polígalas.

Esta bactéria, com quatro variantes, dispersa-se a distâncias curtas através de insetos e, a longas distâncias, pelo movimento de plantas contaminadas. Considera-se que o risco de introdução e dispersão é elevado, tendo em conta a importação e circulação na União Europeia de material de propagação proveniente de diversas regiões, as frequentes infeções latentes (assintomáticas), as quais dificultam a sua deteção precoce e a presença no nosso território de espécies de insetos capazes de a dispersarem.

Xylella fastidiosa detetada em plantas de alecrim na região de Luz de Tavira e Santo Estevão

Plano de Contingência: Xylella fastidiosa e seus vetores – versão 2 – 2021

Comente este artigo
Anterior OSC de 1.º Nível respondem a comunicado emitido pelo ICNF relativamente à proibição da caça à rola-brava
Próximo Bad press and wild claims have unfairly slowed GM crops on the continent, African scientists say

Artigos relacionados

Últimas

Rendimento da atividade agrícola deve aumentar 0,6% em 2018

O rendimento da atividade agrícola em Portugal deverá aumentar 0,6% em 2018, face a 2017, após um crescimento de 5,4% no ano passado, […]

Nacional

Brexit: Exportações agroalimentares e agroflorestais representam 575 milhões de euros anuais

O secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros de Vieira, referiu esta quinta-feira no parlamento que as exportações portuguesas dos setores agroalimentar e agroflorestal para o Reino Unido representam anualmente cerca de 575 milhões de euros. […]

Dossiers

Cotações – Aves e Ovos – 14 a 20 de junho 2021

Na semana em análise as cotações médias nacionais do frango vivo (de 1,8 kg) e abatido (65% – de 1100 a 1300 g) e do peru, vivo (de 14 a 15 kg) […]