Vitacress testa uso de algas como fertilizante orgânico

Vitacress testa uso de algas como fertilizante orgânico

A Vitacress – empresa de capital cem por cento nacional, com sede em Odemira – associou-se ao projeto Algavalor, juntamente com outras 10 entidades empresariais e uma dezena de instituições ligadas ao ensino e à investigação. Com um investimento que rondará os 10 milhões de euros, o objectivo do consórcio do projecto é o de encontrar formas de compensar as emissões de dióxido de carbono lançadas para a atmosfera. Assim, pretende-se aproveitar o potencial oferecido pela biomassa à base de microalgas para aplicá-la no desenvolvimento de produtos na alimentação humana, cosmética, nutrição animal e biofertilizantes.

Na Vitacress, irão decorrer os testes para a utilização de microalgas como fertilizante orgânico na agricultura, sendo a primeira vez que a empresa trabalha com estes organismos. A colaboração da empresa no Algavalor vai ao encontro do seu projecto de sustentabilidade ambiental, que aposta na investigação para o desenvolvimento de alternativas em prol do ambiente no contexto da agricultura moderna. As políticas da Vitacress pretendem gerar um impacto positivo na região e comunidade, não comprometendo os recursos que serão indispensáveis às gerações futuras.

O  potencial das algas para o ambiente

As algas têm características próprias que lhes conferem um enorme potencial no combate à poluição. Como seres vegetais monocelulares, têm uma facilidade de multiplicação muito acima da média, podendo gerar níveis de massa biológica muito apreciáveis. As algas desempenham uma função fundamental no ambiente, já que são responsáveis por cerca de 50 por cento dos nutrientes usados para a sua multiplicação que provêm da fotossíntese do dióxido de carbono que absorvem.

O Algavalor pretende desenvolver novos produtos ricos em biomassa e/ou extratos microalgais, tendo como parceiros os utilizadores finais em mercados-alvo, como é o caso da alimentação humana e animal, cosmética e indústria de fertilizantes. O projecto deverá contribuir para reforçar a competitividade internacional das empresas que integram o consórcio e pretende criar 137 postos de trabalho, incluindo 36 novos colaboradores qualificados.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior InovMilho promove encontro nacional de alunos!
Próximo Corteva Agriscience torna-se independente em Junho

Artigos relacionados

Últimas

Covid-19: Bruxelas anuncia novos apoios para a agricultura

A Comissão Europeia aprovou hoje um pacote de medidas à agricultura, no âmbito das ajudas para menorizar as consequências da pandemia da covid- […]

Sugeridas

Pagamentos Julho 2017

No dia 31 de julho de 2017, conforme procedimento habitual, o IFAP irá proceder a pagamentos num montante total de cerca de 46,9 milhões de euros.

Últimas

VITIS tem candidaturas abertas até 15 de novembro

As candidaturas ao Regime de Apoio à Reestruturação e Reconversão da Vinha (Vitis) – Campanha 2020-2021 – decorrem até aos próximo dia 15 de novembro . […]