UPL lança Spirox® D – novo fungicida para controlo do oídio e black rot da videira

UPL lança Spirox® D – novo fungicida para controlo do oídio e black rot da videira

A UPL Portugal apresentou ao mercado português, num webinar realizado a 30 de Março, o seu novo fungicida Spirox® D para controlo do oídio e do black rot da videira. Graças à ação sinérgica de duas substâncias ativas muito potentes – a espiroxamina e o difenoconazol -, Spirox® D protege os novos lançamentos da videira das infeções causadas pelos fungos.

Spirox® D é um fungicida sistémico com ação preventiva, curativa e erradicante que protege a vinha do oídio (Erysiphe necator) e do black rot (Guignardia bidwellii), evitando a progressão da doença nas folhas e nos frutos e permitindo o crescimento de novos lançamentos sãos.

Irene Gonzales, portfolio manager fungicidas na UPL Iberia, realça que «num contexto de crescente retirada de substâncias ativas do mercado europeu, Spirox® D é uma ferramenta importante para integrar na estratégia de proteção das vinhas portuguesas» e explica o que diferencia este novo fungicida de outras soluções existentes no mercado: «Spirox® D é formulado com duas substâncias ativas que têm futuro na União Europeia: a espiroxamina, pertencente a uma nova família química – espiroquetalaminas à qual não são conhecidas resistências, e o difenoconazol. É o único fungicida do mercado que inibe a formação do ergosterol nas membranas celulares dos fungos em cinco pontos diferentes, o que lhe confere um poderoso modo de ação em todo o ciclo de desenvolvimento dos fungos».

Spirox® D protege todas as partes da videira e a sua ação não é afetada por eventuais chuvas posteriores à aplicação, graças à sua elevada sistemía e rápida absorção. É adequado para uso em Proteção Integrada, porque respeita a fauna auxiliar da videira e apresenta baixa toxicidade para as abelhas. É cuidadoso com a cultura e com a colheita, pois não tem efeitos prejudiciais na qualidade nem nos processos de vinificação, nem tão pouco nas características organoléticas do vinho. Os níveis de resíduos do Spirox® D estão definidos a nível mundial, pelo que não tem barreiras nos principais mercados de exportação de vinho.

A UPL recomenda a aplicação de Spirox® D de forma preventiva para desenvolva todo o seu potencial fungicida. O posicionamento técnico do produto é desde os cachos visíveis até ao pintor (em uva para vinho) e desde os cachos visíveis até final da floração (em uva de mesa). A dose autorizada é de 0,5 l/ha, com um máximo de três aplicações por campanha e intervalo de 10 a 14 dias entre aplicações.

Sérgio Trindade, responsável comercial da UPL Portugal, sublinha que «a UPL Portugal possui uma vasta gama de soluções inovadoras, eficazes e flexíveis para proteção da cultura da vinha incluindo, além dos produtos fitofarmacêuticos convencionais, fisioativadores e biosoluções que serão postas à prova e apresentadas ao setor em diversas plataformas de ensaios demonstrativos nas principais regiões vitivinícolas nacionais». Estas soluções integram a estratégia Pronutiva, com a qual a UPL antecipa as necessidades futuras do agricultor e do meio ambiente, dando um maior impulso ao rendimento, proteção e rentabilidade das colheitas.

Comente este artigo
Anterior Floresta sem gestão pode perder €700 milhões/ano
Próximo PAC deve alavancar agroalimentar

Artigos relacionados

Últimas

Balanço do Projeto de Promoção da Pera Rocha nos Mercados Externos – 30 de janeiro – Bombarral

A ANP – Associação Nacional de Produtores de Pera Rocha convida para assistir ao Seminário Final sobre o Projeto de Promoção da Pera […]

Nacional

Previsões agrícolas do INE: produção de pêra cai 35%, a pior campanha da última década

As previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), em 30 de Setembro de 2020, apontam para uma diminuição generalizada na produção das fruteiras. Na pêra esse decréscimo […]

Últimas

Faça Chuva Faça Sol – T.4 Ep.39

Neste programa, o destaque vai para a fileira do azeite, numa viagem de Trás-os-Montes ao Alentejo. Descubra os diferentes sistemas de produção, desde o olival tradicional até às plantações […]