PAC deve alavancar agroalimentar

PAC deve alavancar agroalimentar

A FIPA defende que a futura Política Agrícola Comum (PAC) deve ser elemento-chave para alavancar o crescimento sustentável de todo o setor agroalimentar, em coerência com outras políticas, designadamente ambiental, biocombustíveis e acordos de comércio livre.

A posição foi deixada pelo representante da FIPA, Jaime Piçarra, na audição pública que decorreu no Parlamento, promovida pela Comissão de Agricultura e Mar, saudando também que, pela primeira vez, a revisão da PAC siga uma estratégia menos agrária e mais agroalimentar, ângulo que a federação desde há muito defende.

A federação, que representa a indústria transformadora na cadeia alimentar, sublinha que, mais do que agrária, a PAC é sobretudo agroalimentar e tem uma significativa vertente ambiental, sendo, por isso, necessária a coerência ao nível das diferentes políticas da União Europeia e um orçamento adequado e à medida das ambições e dos desafios que se colocam no futuro.

Um dos desafios mencionados nesta audição pública prende-se, precisamente, com a essencial coordenação entre os desígnios da PAC e as metas da estratégia europeia “Do Prado ao Prato”, cujo objetivo é promover a transição para sistemas alimentares sustentáveis, incluindo propostas para redução do uso de fertilizantes e pesticidas agrícolas. A FIPA defende aqui, que estas metas, vistas isoladamente e sem coordenação prévia, podem vir a ter consequências importantes na qualidade e acessibilidade dos produtos agrícolas e alimentares, pelo que é urgente uma avaliação de impacto.

A audição completa pode ser vista aqui. A participação da FIPA neste momento junta-se ao trabalho que tem vindo a fazer sobre este tema, estando presente em diversos fóruns nacionais e internacionais e em que se inclui o contributo para a elaboração da posição da indústria europeia, através da FoodDrinkEurope.

O artigo foi publicado originalmente em FIPA.

Comente este artigo
Anterior UPL lança Spirox® D - novo fungicida para controlo do oídio e black rot da videira
Próximo Resistência: Podemos fazer agricultura sem agrotóxicos?

Artigos relacionados

Blogs

Qual o contributo das florestas ribeirinhas mediterrânicas na retenção de carbono?

As florestas ribeirinhas são importantes sumidouros de carbono na mitigação dos efeitos das alterações climáticas. Um trabalho do Centro de Estudos Florestais, do Instituto Superior de Agronomia […]

Sugeridas

Federação dos Agricultores alentejanos escreve ao Ministro a reclamar medidas excepcionais contra a seca

Face à situação de seca extrema vivida no Alentejo que, independentemente da precipitação e das previsões meteorológicas, já causou danos irreparáveis na agricultura da região, […]

Nacional

Açores querem duplicar produção em modo biológico em 10 anos

O Governo Regional dos Açores criou um plano, publicado esta quarta feira em jornal oficial, para duplicar a produção em modo biológico e aumentar o consumo destes produtos, […]