PAC deve alavancar agroalimentar

PAC deve alavancar agroalimentar

A FIPA defende que a futura Política Agrícola Comum (PAC) deve ser elemento-chave para alavancar o crescimento sustentável de todo o setor agroalimentar, em coerência com outras políticas, designadamente ambiental, biocombustíveis e acordos de comércio livre.

A posição foi deixada pelo representante da FIPA, Jaime Piçarra, na audição pública que decorreu no Parlamento, promovida pela Comissão de Agricultura e Mar, saudando também que, pela primeira vez, a revisão da PAC siga uma estratégia menos agrária e mais agroalimentar, ângulo que a federação desde há muito defende.

A federação, que representa a indústria transformadora na cadeia alimentar, sublinha que, mais do que agrária, a PAC é sobretudo agroalimentar e tem uma significativa vertente ambiental, sendo, por isso, necessária a coerência ao nível das diferentes políticas da União Europeia e um orçamento adequado e à medida das ambições e dos desafios que se colocam no futuro.

Um dos desafios mencionados nesta audição pública prende-se, precisamente, com a essencial coordenação entre os desígnios da PAC e as metas da estratégia europeia “Do Prado ao Prato”, cujo objetivo é promover a transição para sistemas alimentares sustentáveis, incluindo propostas para redução do uso de fertilizantes e pesticidas agrícolas. A FIPA defende aqui, que estas metas, vistas isoladamente e sem coordenação prévia, podem vir a ter consequências importantes na qualidade e acessibilidade dos produtos agrícolas e alimentares, pelo que é urgente uma avaliação de impacto.

A audição completa pode ser vista aqui. A participação da FIPA neste momento junta-se ao trabalho que tem vindo a fazer sobre este tema, estando presente em diversos fóruns nacionais e internacionais e em que se inclui o contributo para a elaboração da posição da indústria europeia, através da FoodDrinkEurope.

O artigo foi publicado originalmente em FIPA.

Comente este artigo
Anterior UPL lança Spirox® D - novo fungicida para controlo do oídio e black rot da videira
Próximo Resistência: Podemos fazer agricultura sem agrotóxicos?

Artigos relacionados

Nacional

Ministra da Agricultura: “os nossos produtos têm a confiança dos consumidores, nomeadamente nos países terceiros.”

O Salão Internacional do Setor Alimentar e Bebidas – SISAB 2020, enquanto mostra mundial de empresas, marcas e produtos portugueses para a […]

Nacional

Vou falar-vos da minha Terra, Miranda – Óscar Afonso

Vou falar-vos da Terra onde se localiza a mais oriental cidade lusa, onde primeiro nasce o sol em Portugal e onde ainda se mantém viva a “Lhéngua Mirandesa”. Situada num planalto, […]

Últimas

Investigação para o Comité AGRI: O desafio do abandono da terra após 2020 e opções para as medidas de mitigação

O Think Thank do Parlamento Europeu publicou o estudo “O desafio do abandono da terra após 2020 e opções para as medidas de mitigação” (“The challenge of land abandonment after […]