Um terço dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçado

Um terço dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçado

Produzir alimentos para quase 10 mil milhões de pessoas e, ainda assim, reduzir as metas de carbono e manter o planeta sustentável é o grande desafio para as próximas décadas. Reduzir o desperdício alimentar, procurar sistemas alimentares sustentáveis e alimentação alternativa são as principais armas.

A produção de alimentos é, ao mesmo tempo, a maior alavanca de crescimento da humanidade e um dos maiores desafios que o planeta enfrenta para se manter sustentável. Segundo as previsões, em 2050 o mundo terá de conseguir disponibilizar alimentação a 9 ou 10 mil milhões de pessoas, mais de 2 mil milhões de seres humanos face aos existentes atualmente. A grande questão é como fornecer a esta crescente população dietas saudáveis, acessíveis a todos e a partir de sistemas alimentares sustentáveis. É que, enquanto por um lado aumentam os problemas do consumo excessivo de calorias, com todos os problemas de saúde e mortes associados – a doença cardíaca continua no topo da mortalidade -, por outro há ainda 820 milhões de pessoas a passar fome.

Se as estas juntarmos toda a população que vive em situação de má nutrição e insegurança alimentar, este número ascende a cerca de 2 mil milhões, cerca de um quarto da população atual, segundo dados da FAO – Food and Agriculture Organization, organismo do universo da Organização das Nações Unidas (ONU).

Dietas não saudáveis representam, segundo o relatório EAT – Lancet Comission, um risco de morbilidade e mortalidade maior do que o álcool, as drogas, o tabagismo e os comportamentos sexuais de risco combinados. “A produção global de alimentos ameaça a estabilidade do clima, a resiliência dos ecossistemas e é a maior impulsionadora da degradação ambiental. É necessária, com urgência, uma transformação radical e do sistema alimentar global”, pode ler-se no documento da EAT, plataforma sem fins lucrativos constituída por diversos especialistas e cientistas mundiais com o objetivo de apoiar a transformação dos sistemas alimentares.

“Alimentar e dar qualidade de vida a tanta gente vai ser o maior desafio de sempre para a humanidade. O planeta está no seu limite; na verdade parece que até já o ultrapassou no passado dia 29 julho, segundo o overshoot earth day. As alterações climáticas já se manifestam com toda a força, são as cheias na Europa e na China, o frio no Brasil, as ondas de calor e os fogos na Turquia, na Grécia e na Califórnia”, refere, a propósito, Isabel Sousa, professora do Instituto Superior de Agronomia (ISA) e coordenadora do centro de investigação LEAF (Linking Landscape Environment Agriculture and Food), uma rede composta por mais de 130 investigadores nas temáticas da agricultura e alimentação.

Para esta especialista, esta é uma questão muito complexa e adianta que “a desertificação avança e a terra arável diminui. A água irá tornar-se, muito em breve, um bem tão escasso que, infelizmente, poder-se-á tornar numa arma política. A produção de alimentos, tal como está, e a mobilidade, são as grandes contribuições para o aumento dos gases com efeito de estufa. E a resposta para isto já todos sabemos: vamos ter de mudar os nossos hábitos alimentares e o modo como nos deslocamos habitualmente”.

O Pacto Ecológico Europeu é o resultado do reconhecimento da situação grave em que o mundo se encontra e os seus objetivos vão ser ainda mais reforçados pela catástrofe que se abateu sobre a Alemanha, onde morreram 180 pessoas nas últimas cheias. “O lugar da alimentação neste pacto é central – do prado ao prato, está no coração do Green Deal – e Portugal está alinhado com estas políticas de tornar a Europa um continente neutro em carbono, isto é, sem adicionar mais gases de estufa ao ambiente, em 2050”, refere Isabel Sousa.

Susana Fonseca, da direção da Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, não poderia estar mais de acordo. “Temos de fazer alterações estruturais e conseguir encontrar uma dieta alimentar que tenha o mais baixo impacto ambiental possível, e isso consegue-se com uma alimentação mais próxima da base”, explica.

Reduzir o desperdício alimentar é fundamental para alimentar o mundo

Segundo o último relatório divulgado pela ONU, designado de “The State of Food Security and Nutrition in the World”, um dos impactos indiretos da pandemia de covid-19 é o aumento da fome no mundo. A tendência de descida que se fazia sentir foi invertida e, em 2020, registaram-se mais 118 milhões de pessoas em situação de subnutrição face ao estimado em 2019. “Se o mundo continuar no caminho atual, o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de acabar com a fome até 2030 será perdido por uma margem de quase 660 milhões de pessoas”, pode ler-se neste relatório. Reconhecendo a urgência da temática, a ONU vai realizar, já no próximo mês de setembro, em Nova Iorque, a United Nations Food Systems Summit 2021, onde serão discutidas todas as situações que envolvem a disponibilização de alimentos.

Segundo o relatório da UNEP – Programa Ambiental das Nações Unidas, o mundo já produz alimentos suficientes para 10 mil milhões de pessoas, mas cerca de 17% desta produção é perdida. A perda e o desperdício alimentar, no seu conjunto, chegam a atingir um terço dos alimentos gerados em todo o planeta. Convém aqui explicar que se utiliza o termo perda de alimentos (food loss, em inglês) na fase da produção, envolvendo agricultores e fornecedores até chegar ao ato da venda, e que desperdício alimentar (food waste, em inglês) se refere a alimentos esbanjados a partir do ponto de venda, sejam lojas, supermercados, restaurantes ou já em casa do consumidor. Estima-se, aliás, que só na União Europeia cerca de 88 milhões de toneladas de alimentos sejam desperdiçados anualmente, ascendendo a um gasto de 143 mil milhões de euros. Deste montante, mais de metade (53%) é desperdício doméstico, ou seja, ocorre na cozinha das famílias.

No mundo, os números são astronómicos: são mais de 1,3 mil milhões de toneladas de alimentos perdidos e desperdiçados, num custo estimado de 2,3 biliões de dólares americanos (cerca de 2 biliões milhões de euros). Mas desengane-se se pensa que apenas os países mais ricos contribuem para esta perda: segundo a FAO, a percentagem é idêntica nas zonas de maior rendimento e nas de baixo rendimento. A única diferença é que nos países mais ricos este desperdício está no fim da cadeia de valor, no consumidor, e nos países mais pobres a perda está ao nível produção, junto dos pequenos produtores agrícolas, que não conseguem muitas vezes salvar colheitas ou canalizá-las corretamente para o consumo. O relatório da UNEP revela que, em média, são desperdiçados 74 quilogramas per capita de alimentos, anualmente, de forma semelhante entre países mais ricos e países mais pobres, havendo muita margem para melhorias.

Em […]

Continue a ler este artigo no Diário de Notícias.

Comente este artigo
Anterior BE defende que é necessário agir no território logo após incêndios - Catarina Martins
Próximo El precio del porcino ha bajado más del 19% en tan solo dos meses

Artigos relacionados

Dossiers

Rechazo a la propuesta europea de aplazar las ayudas al sector para una agricultura sostenible hasta 2023

Un grupo de 60 eurodiputados, entre los que se encuentran los españoles Juan Ignacio Zoido (PP), Adrían Vázquez (Cs) e Izaskun Bilbao (PN), […]

Nacional

Produção de porco preto na Serra do Caldeirão preserva atividade tradicional

A “Feito no Zambujal”, empresa de produção e transformação do porco preto, de raça alentejana, nasceu em 2012 através do projeto idealizado por dois irmãos, […]

Ofertas

Oferta de estágio – Agrónomo – Faro

A Madre Fruta, através dos seus serviços partilhados de recrutamento, está neste momento a recrutar licenciado/a em Agronomia ou Ciências Agrárias […]