Um país não pode tudo mas tem responsabilidade no clima, diz Catarina Martins

Um país não pode tudo mas tem responsabilidade no clima, diz Catarina Martins

[Fonte: Açoriano Oriental]

A coordenadora do BE sabe que “um país não pode tudo”, mas destaca a responsabilidade de contribuir para a travagem do aquecimento global uma vez que com “o clima não se negoceia” e faliu a política do capitalismo verde.

No programa eleitoral do BE às eleições legislativas de 06 de outubro, que é hoje divulgado na totalidade, a nota introdutória é assinada pela líder bloquista, Catarina Martins, um texto de duas páginas intitulado “Escolhas fortes para responder às crises”, a maior de todas a emergência climática.

“Sabemos que um país não pode tudo. Mas a responsabilidade de cada país, que é também a nossa, é ser participante ativo de uma comunidade internacional que trave o aquecimento global”, defende.

Cada governo, na perspetiva de Catarina Martins, “tem, perante o seu povo, a responsabilidade de tornar o seu território e as suas infraestruturas mais resistentes às crescentes dificuldades” que vai ser preciso enfrentar.

“Com o clima não se negoceia. Faliu a política dos pequenos passos, da consciencialização individual e do capitalismo verde”, avisa, apontando a urgência de “uma nova estratégia” porque não se pode esperar mais.

A resposta à emergência climática é, justamente, uma das três bandeiras do BE a estas eleições legislativas, às quais se juntam o combate à precariedade e “salvar a saúde”, tal como se pode constatar na capa do programa eleitoral, sob o mote “Faz acontecer”.

No capítulo da emergência climática, o BE propõe os centros das grandes cidades, como Porto e Lisboa, “sem carros e com transportes públicos gratuitos”, apostando ainda num plano ferroviário nacional para mudar a mobilidade e a coesão territorial.

Para adaptar a produção e o território às alterações climáticas, os bloquistas defendem a reconversão industrial para reduzir as emissões e uma resposta aos incêndios florestais através da conclusão do Cadastro da Propriedade Rústica, de um plano de controlo público e gestão de propriedades abandonadas e da redução da área de eucalipto, no âmbito de um plano de reflorestação nacional que combata as plantas invasoras com espécies autóctones.

A redução do plástico e eliminação das embalagens descartáveis é outra das linhas orientadoras em matéria de emergência climática, sendo a meta do BE a “transição energética para atingir a neutralidade carbónica até 2030”.

A nota introdutória do programa eleitoral começa por falar dos “tempos de grandes incertezas” que se vivem e “sob permanente ameaça de novas crises”, defendendo que “a estabilidade vivida em Portugal não apaga o sentimento de insegurança que aumenta com a precariedade como horizonte (recibos verdes, estágios, temporários, outsourcing, ‘uberização’) e o desemprego como ameaça”.

“Os salários baixos tornam-se ainda mais curtos com a explosão do custo da habitação e não faltam as projeções sobre a queda demográfica e a insustentabilidade da Segurança Social”, avisa ainda.

No entanto, na visão de Catarina Martins, a todas estas crises e ameaças “junta-se a maior de todas: a emergência climática”.

Para a líder do BE, o capitalismo é o nome das várias crises que se vivem atualmente.

“Não há soluções sem a coragem e a sensatez de políticas socialistas, as que podem responder pelo clima, pelo emprego, pela segurança”, defende.

De forma sucinta, Catarina Martins refere que é esse o “caminho que o Bloco propõe”, elencando que “Portugal precisa de uma estratégia para a reconversão energética, do território, dos transportes, da indústria, da habitação”, programa esse financiado “por uma economia mais justa, com controlo público dos setores estratégicos e que cria emprego”.

Comente este artigo

O artigo Um país não pode tudo mas tem responsabilidade no clima, diz Catarina Martins foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Anterior Ecologistas defendem em Lisboa "posição ativa" de Portugal
Próximo Um guia para descobrir a “beleza” integral de Portugal

Artigos relacionados

Últimas

Comunicação da Comissão sobre o futuro da PAC: mais do mesmo

Proposta da Comissão não responde às necessidades e anseios dos agricultores e das zonas rurais
 O processo de reforma da PAC pós 2020, que a CNA juntamente com a Coordenadora Europeia Via Campesina (CEVC) têm vindo a acompanhar, junto com outras organizações e movimentos civis, alcançou uma etapa importante esta quarta-feira, […]

Últimas

GIPS sensibilizam população contra os incêndios em Macedo de Cavaleiros

ovEmsZ5gHvABaUYQpFTW

GIPS sensibilizam população contra os incêndios em Macedo de Cavaleiros

O Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR associou-se à Proteção Civil Municipal de Macedo de Cavaleiros e desenvolveu uma ação de sensibilização florestal contra incêndios. Nesta primeiro visita foram sinalizados algumas situações de risco e notificados alguns proprietários para o cumprimento voluntário das obrigações de limpeza dos terrenos. […]

Últimas

DGAV e sindicato esclarecem veterinários sobre Sistema de Informação de Animais de Companhia

[Fonte: Agricultura e Mar]
A DGAV – Direcção Geral de Alimentação e Veterinária e o SNMV — Sindicato Nacional dos Médicos Veterinários irão promover durante o mês de Outubro diversas acções de esclarecimento dirigidas aos médicos veterinários sobre o Sistema de Informação de Animais de Companhia – […]