Tribunal de Contas quer Kamov avariados geridos pela Força Aérea

Tribunal de Contas quer Kamov avariados geridos pela Força Aérea

O Dispositivo de Combate a Incêndios Rurais (Decir) para este ano prevê 12 058 homens no período crítico de 1 de junho a 30 de setembro – “o maior número de sempre”. Mas ainda não contará com os seis helicópteros bombardeiros pesados Kamov, que o Tribunal de Contas (TC) quer ver transferidos para a Força Aérea Portuguesa (FAP), apesar de não estarem operacionais.

O Decir fixa 14 meios aéreos em permanência, passando a 37 no período de reforço de nível II (15 a 31 de maio), e a 60 nas fases de nível III e IV (1 de junho a 15 de outubro). Só nestes meses mais críticos estão previstos três helicópteros bombeiros pesados – a classe dos Kamov -, além dos 12 médios.

Numa auditoria ao dispositivo, o TC salienta que, entre as decisões do Governo por cumprir desde 2017, está a falta de transferência para a FAP dos seis Kamov do Estado. Uma frota inoperacional ainda na alçada da Proteção Civil.

O documento salienta que o ministro da

Continue a ler este artigo no Jornal de Notícias.

Comente este artigo
Anterior Incêndios: Tribunal de Contas conclui que faltam concretizar medidas aprovadas em 2017
Próximo UE/Presidência: Ministros discutem hoje impacto das alterações climáticas na gestão da água

Artigos relacionados

Nacional

Ajuda de Estado de 320 milhões à biomassa volta a aumentar tarifas de energia

De acordo com a informação diária divulgada por Bruxelas, a Comissão Europeia aprovou uma ajuda de Estado no valor de 320 milhões de euros para apoiar a construção de centrais de biomassa nas regiões mais propensas a risco de incêndios florestais em Portugal. […]

Cotações ES

Octubre arranca con repeticiones en porcino de capa blanca


El mercado del porcino de capa blanca se mantuvo sin cambios en el caso de los animales cebados,  […]

Últimas

Acordo UE-Mercosul: “Certezas a 100% são impossíveis”

Não há maneira de garantir “a 100%” que depois da assinatura do acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul não vai entrar em território europeu nenhuma soja proveniente de áreas desflorestadas, […]