Falta de fundos no Vitis põe em causa desenvolvimento do setor – Filipe Daniel

Falta de fundos no Vitis põe em causa desenvolvimento do setor – Filipe Daniel

Durante os últimos anos as variações sofridas ao nível da climatologia começam cada vez mais a confirmar as preocupações identificadas no passado quanto à necessidade do Regadio.

Face às previsões e tendências de períodos estivais longos e períodos de precipitação curtos, mas de grande intensidade, torna-se imperativo pensar estruturalmente e não só minimizar as dificuldades emergentes. A retenção com regadios coletivos das águas provenientes das precipitações permitiria não só armazenar a mesma para períodos necessários à sua utilização como também o armazenamento através da infiltração, fazendo com que houvesse a reposição da perda de água nos aquíferos subterrâneos e permitindo também reduzir o escorrimento superficial, responsável pela erosão laminar nos solos, tema também bastante relevante.

A implementação do Regadio em Óbidos, bem como as condições edáfo-climáticas presentes, possibilita a diversificação de culturas, bem como, a possibilidade de criar condições para melhorar a qualidade das mesmas. É nesta ótica que considero limitante o desinvestimento especialmente na cultura da vinha. Esta poderá ser nos próximos anos a que mais margem apresenta de crescimento, face cada vez mais à dificuldade de arranjar mão de obra para trabalhos agrícolas, sendo que a cultura da vinha está bastante mecanizada.

Perante as condições atuais e face aos últimos acontecimentos nesta cultura, apraz-me desenvolver um pouco mais este tema.

Reestruturação e reconversão da vinha portuguesa em perigo?

O Programa VITIS tem como objetivos reestruturar e reconverter as parcelas de vinha, tendo em vista a produção de uvas para vinho que satisfaçam as condições de produção de vinho com denominação de origem e vinho com indicação geográfica.

Com uma elevada taxa de adesão e uma execução a rondar os 98%, aquele programa de apoio é claramente um sucesso, e traduz o empenho dos agricultores na melhoria da qualidade do vinho português.

As expectativas criadas com o programa de apoio levaram o sector viveirista vitícola nacional a estruturar-se de modo a possibilitar a plantação de cerca de 5 000 ha/ano (20 milhões de plantas). Para atingir este patamar foi necessário criar infraestruturas próprias, preparar terrenos e plantar novos campos de pés-mãe. Ora, se tivermos presente as mais de 3 centenas de castas aptas à produção de vinho em Portugal, das quais, cerca de 250 são autóctones, foi necessário um esforço adicional na reabilitação de muitas dessas castas, de modo a possibilitar a sua comercialização legal.

Recentemente, o vinho português voltou a melhorar a sua performance nos mercados (as exportações portuguesas de vinho cresceram 5,8% em volume e 8,6% em valor entre janeiro e setembro de 2017 para 214 milhões de litros e para um valor de 537 milhões de euros), o que mais uma vez demonstra o sucesso do trabalho realizado, visto que em 10 anos Portugal perdeu 47 mil hectares de vinha e a produtividade da vinha portuguesa continua a ser uma das mais baixas.

Quando o sector esperava o retorno dos investimentos realizados, o valor para as candidaturas para o VITIS 2018/19 é consideravelmente inferior à das últimas campanhas (Figura 1), cerca de 25 milhões de euros, apoiando cerca de 2 100 ha, enquanto que, para 2019/20 ainda não está prevista qualquer dotação, na realidade mostrava-se uma clara necessidade de fazer mais e melhor.

Figura 1

A manter-se esta previsão, todo o sector viveirista entrará em recessão e serão postos em causa centenas de postos de trabalho. O esforço de renovar e conservar o material genético terá sido em vão, apesar do esgotamento das verbas afetas ao programa VITIS a dinâmica conseguida pelo mesmo, comprovada pelos resultados apresentados demonstra um claro desinvestimento na procura de verbas que permitiriam continuar o bom trabalho realizado até então. O que se traduzirá num médio-longo prazo numa perda de competitividade, qualidade e possibilidade de criação de riqueza, emprego e consequentemente coesão social.

 

Filipe Daniel

Engenheiro Agrónomo e produtor

Comente este artigo
Anterior XXXIX Reunião de Primavera da Sociedade Portuguesa de Pastagens e Forragens - 3 e 4 de Maio 2018 - Ponte de Lima
Próximo Tribunal de Contas Europeu quer política agrícola a complementar coesão e ambiente

Artigos relacionados

Opinião

Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2019 – Medidas com Impacto para o Sector Agrícola e Florestal – Catarina Pinto Correia

O presente documento foca alguns dos elementos da Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2019 com maior relevância para o sector agrícola e florestal. […]

Nacional

Matéria Orgânica do Solo e Ambiente – Manuel Chaveiro Soares

Portugal é deficitário em carne de bovino e de suíno, e, simultaneamente, a maioria dos solos agrícolas é pobre em matéria orgânica e, […]

Últimas

Inovação e tecnologia na produção de alimentos – António Lopes Dias

Este é o tema dos Simpósios Anipla 2017, com o primeiro já realizado, no dia 23 de Março, […]