Três empresas de cultivo de canábis com pré-licença do Infarmed para se instalarem em Mação

Três empresas de cultivo de canábis com pré-licença do Infarmed para se instalarem em Mação

Em novembro do ano passado chegou a notícia de que uma empresa canadiana de cultivo e embalamento de canábis para fins medicinais poderia estar a caminho de Mação, perto da zona industrial de Ortiga.

Na altura, Vasco Estrela adiantou que havia também, pelo menos, mais duas empresas interessadas em avançar com projetos nesta área e que decorriam conversações com as autoridades competentes, nomeadamente com o Infarmed (recorde aqui).

Agora, na reunião do executivo municipal de 27 de maio, o autarca deu a boa nova: dos vários contactos estabelecidos resultaram “pré-licenças para a instalação dessas empresas, de três delas” no concelho.

Na prática, estas licenças são essenciais “para depois se poder iniciar a construção das infraestruturas necessárias”, conforme explicou o presidente do Município de Mação aos jornalistas:

Vasco Estrela, presidente CM Mação

Agora, estas empresas têm seis meses “para concretizar esses investimentos, ou parte desses investimentos”, e depois de tudo estar construído falta “a licença final, para poderem começar a laborar”.

Vasco Estrela espera que esta crise causada pela Covid-19 “não iniba estes investimentos – supomos que não, pelo menos não temos essa indicação”, reitera, sublinhando a importância de a Câmara continuar a dar o acompanhamento necessário para que esta atração de investimento feito “se concretize de facto”.

Vasco Estrela, presidente CM Mação

Quanto às empresas em si e a todo o processo envolvido, o responsável da autarquia maçaense explica que com duas delas foram criadas condições “de uma forma muito efetiva” por parte do Município, tendo a terceira corrido “em paralelo, não com tanta proximidade por parte da Câmara, mas a génese veio do mesmo sítio”.

Todas elas são na área do “cultivo, armazenamento, embalamento e exportação”, esclarece o autarca, que dá conta das zonas onde estas empresas se pretendem instalar:

Vasco Estrela, presidente CM Mação

“Aquilo que agora nós desejamos é que efetivamente estes investimentos se concretizem”, afirma Vasco Estrela que relembra que estes são investimentos de “alguns milhões de euros geradores também de umas dezenas de postos de trabalho”.

Ana Rita Cristóvão


O artigo foi publicado originalmente em Jornal de Abrantes.

Comente este artigo
Anterior TAGUS - Estão disponíveis mais 400 mil euros para projetos em Abrantes, Constância e Sardoal
Próximo Consumidores já podem avaliar bem-estar dos animais de produção

Artigos relacionados

Últimas

CIMAA prepara período crítico de incêndios rurais

As Brigadas de Sapadores Florestais do Alto Alentejo continuam empenhadas nos trabalhos de prevenção na floresta, no âmbito da preparação do período crítico de incêndios, que oficialmente […]

Artigos internacionais

Investigadores criam método para sensores de monitorização da saúde das colheitas

Uma equipa multidisciplinar de investigadores da King Abdullah University of Science and Technology (KAUST), na Arábia Saudita, desenvolveu um novo método para criar moldes […]

Notícias florestas

Empresa da Estónia pagou madeira do Pinhal de Leiria mas não a levou

Segundo o secretário de Estado das Florestas, a verba de 16 milhões de euros, resultante da venda da madeira ardida, não será suficiente para custear todo o investimento previsto para o Pinhal. Mas “não vai haver falta de dinheiro”, garantiu […]