Traces para alimentos de origem não animal adiado para 1 de Novembro por dificuldades da Autoridade Tributária

A DGAV – Direcção Geral de Alimentação e Veterinária informa que, por dificuldades manifestadas pela Autoridade Tributária, durante o dia de hoje, 30 de Setembro, o início da utilização da nova plataforma do TRACES-NT (área CHED-D) será adiado até dia 1 de Novembro de 2019.

Apenas nessa data a AT conseguirá resolver os problemas de interface entre o seu sistema informático e a nova plataforma.

A nova plataforma TRACES – NT integra agora também a importação de géneros alimentícios de origem não animal e materiais para contacto com alimentos.

O TRAde Control and Expert System (TRACES) tem servido como um “ponto de acesso único” para a legislação europeia no domínio da saúde pública veterinária — aplicável a produtos de origem animal, animais vivos e subprodutos animais —, bem como no domínio da fitossanidade.

Documento Sanitário Comum de Entrada

Assim, só a partir de 1 de Novembro, os importadores e despachantes devem proceder à notificação prévia das remessas através do preenchimento da primeira parte do Documento Sanitário Comum de Entrada (DSCE-D ou CHED-D) disponível na nova plataforma.

O TRACES clássico e o Documento Comum de Entrada (DCE ou CED) deixam de ser utilizados.

Explica a DGAV que os inspectores dos vários Postos de Controlo Fronteiriços, das DRAP e Regiões Autónomas, estão disponíveis para o apoio necessário nesta fase de transição.

E aconselha a consulta da apresentação da DGAV (aqui) realizada nas sessões de esclarecimento dos dias 12 e 13 de Setembro e os manuais do TRACES-NT:

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Furacão Lorenzo – Açores – 7
Próximo Investigadores desenvolvem gel que previne incêndios florestais

Artigos relacionados

Nacional

Portugal negoceia com Brasil venda de leite dos Açores

O secretário de Estado da Internacionalização português afirmou esta sexta feira à Lusa que está a negociar com o Brasil medidas que permitam a exportação de leite dos Açores para aquele mercado. […]

Últimas

Seminário Parceria portuguesa para o Solo “Linhas Orientadoras para a Gestão Sustentável do Solo” – 20 de Novembro 2017 – Oeiras

A Parceria Portuguesa para o Solo (PPS) e a Sociedade Portuguesa da Ciência do Solo (SPCS) tomam a iniciativa de realizar no dia 20 de Novembro próximo o Seminário “Gestão Sustentável do Solo em Portugal – Linhas de Orientação”, […]

Nacional

Portugal pode ser terceiro maior produtor mundial de azeite nos próximos 10 anos

Actualmente, existem 361.483 hectares de olival em Portugal, dos quais são 352.404 hectares de olival para azeite (INE, 2019). Apesar de um ligeiro acréscimo nos últimos anos, […]