“Todas as indústrias do setor agroalimentar desperdiçam energia, principalmente térmica e elétrica”

“Todas as indústrias do setor agroalimentar desperdiçam energia, principalmente térmica e elétrica”

[Fonte: Voz do Campo]

Hugo Martins, especialista em eficiência energética na AXPOopi

É possível tornar o consumo mais eficiente, implementando algumas medidas simples e, deste modo, baixar significativamente o custo desta energia. Todas as indústrias do setor agroalimentar desperdiçam energia, principalmente térmica e elétrica, que são utilizadas nas diversas operações de transformação, como cozeduras, refrigeração, etc.

Comente este artigo

O artigo “Todas as indústrias do setor agroalimentar desperdiçam energia, principalmente térmica e elétrica” foi publicado originalmente em Voz do Campo.

Anterior Delta lança cápsulas de café 100% orgânicas e biodegradáveis
Próximo “Não há uma cultura enraizada de preferir o que é nosso”

Artigos relacionados

Últimas

Socorro, estamos sem água. Socorro, a culpa é nossa

[Fonte: SAPO 24]

Um pico de tensão, a electricidade foi-se, logo a bomba de calor e, como consequência, adeus à água quente e aos 22 graus de temperatura, garante do ar condicionado velhinho, velhinho. Estamos pouco ou nada habituados às coisas miúdas do mundo. […]

Comunicados

Programa visa promover a agricultura biológica sustentável em meio urbano e apoiar a economia doméstica de famílias carenciadas

O Município de Tomar acaba de abrir um concurso para a atribuição de 28 talhões nas Hortas Municipais. Este programa, que dá prioridade às famílias numerosas e aos munícipes desempregados, tem como principais objetivos a promoção da atividade agrícola em meio urbano, a promoção de uma alimentação saudável através do fomento da horticultura biológica, […]

Sugeridas

Citrinos do Algarve ganham mais organização

[Fonte: Voz do Campo]
A campanha dos citrinos no Algarve não arrancou da melhor maneira, depositando-se agora expectativa na fruta de primavera, normalmente de calibres superiores. Mas, paralelamente à produção há um vasto trabalho de promoção e valorização que tem de ser feito constantemente e que historicamente tem acontecido de forma muito individualizada. […]