TAGUS abre candidaturas para apoiar cadeias curtas

TAGUS abre candidaturas para apoiar cadeias curtas

A TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior abriu, a 27 de abril, o período de receção de candidaturas de projetos para apoiar cadeias curtas.

A abertura das candidaturas tem como objetivo promover e agilizar os canais de comercialização de produtos alimentares locais, alargando as possibilidades de escoamento da produção.

Por sua vez, o concurso para os pequenos investimentos nas explorações agrícolas foi prolongado até 18 de maio.

Os investimentos visados nas “Cadeias Curtas e Mercados Locais” – no âmbito do Desenvolvimento Local de Base Comunitária Rural (DLBC Rural), através Portugal 2020 e cofinanciado pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER) – devem promover o contacto entre o produtor e o consumidor, contribuindo para o escoamento da produção local, a preservação dos produtos e especialidades locais, a diminuição do desperdício alimentar e para a melhoria da dieta alimentar através do acesso a produtos da época, frescos e de qualidade.

Os pedidos de apoio têm como objetivo incentivar também a práticas agrícolas menos intensivas e ambientalmente sustentáveis, por forma a diminuir a emissão de gases efeito de estufa, através da redução de custos de armazenamento, refrigeração e transporte dos produtos até aos centros de distribuição.

As candidaturas da ação do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR2020) 10.2.1.4 – Cadeias Curtas e Mercados Locais podem ser submetidas até 30 de junho, podendo concorrer pessoas singulares ou coletivas, a título individual ou em parceria, que sejam titulares de uma exploração agrícola.

Os projetos podem ir desde os 500 euros até aos 50 mil euros de despesas relacionadas com o armazenamento, transporte e aquisição de pequenas estruturas de venda, as ações de sensibilização e educação para consumidores e para a comercialização de proximidade, o desenvolvimento de plataformas eletrónicas e de materiais promocionais, a adaptação e o apetrechamento de infraestruturas, as deslocações dos produtores aos mercados locais e entregas em pontos específicos.

Relativamente às deslocações, o apoio é no valor de 60 euros por deslocação e pode chegar ao total de 7 488 €, durante o projeto. Este suporte tem como objetivo ajudar os produtores a cobrir os custos de transporte, portagens e alimentação, para a participação em mercados em Abrantes, Constância, Sardoal e concelhos limítrofes ou para ir aos pontos de entrega.

Os financiamentos das despesas chegam aos 50% do investimento material e chega a 80% nos imateriais.

Também o aviso para a medida 10.2.1.1. – Pequenos Investimentos nas Explorações Agrícolas, que abriu a 3 de fevereiro, será prolongado até 18 de maio.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior A maioria dos terrenos privados estão por limpar. Prazo termina esta quinta
Próximo Álvaro Amaro exige mais da Comissão Europeia para ajudar o setor agroalimentar

Artigos relacionados

Últimas

Relatório DGAV: Venda de pesticidas cai 17% em 2017. O valor mais baixo desde 2002

Os agricultores portugueses compram cada vez menos pesticidas. As vendas de produtos fitofarmacêuticos durante o ano de 2017, em Portugal, sofreu um novo decréscimo de cerca de 17% relativamente ao ano de 2016, […]

Últimas

Incêndio de Tomar. O fogo passou o rio e chegou aos concelhos de Abrantes e Constância

O incêndio que deflagrou na tarde deste sábado numa zona florestal de Tomar passou o rio Zêzere e a frente, bastante extensa, […]

Sugeridas

U.S. EPA reaffirms that glyphosate does not cause cancer

The U.S. Environmental Protection Agency said on Thursday it finished a regulatory review that found glyphosate, the most […]