‘Startup’ de Coimbra desenvolve plataforma para melhorar prevenção de incêndios

‘Startup’ de Coimbra desenvolve plataforma para melhorar prevenção de incêndios

A ‘startup’ de Coimbra Bold Robotics recebeu um apoio da Agência Espacial Europeia para desenvolver uma plataforma que usa dados de observação da Terra para otimizar a prevenção de incêndios e a gestão de terrenos florestais.

A ‘startup’, sediada no Instituto Pedro Nunes (IPN), junta investigadores da área da robótica e dos incêndios, que desenvolvem em conjunto uma plataforma digital que pretende melhorar a gestão de terrenos florestais, de forma a garantir uma melhor prevenção de incêndios, disse à agência Lusa um dos sócios fundadores da empresa Carlos Xavier Viegas.

Contando com um protocolo com o Centro de Estudos Sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, a plataforma recebeu um financiamento de 50 mil euros por parte do ESA BIC Portugal (programa da Agência Espacial Europeia de fomento à aplicação de tecnologia do espaço na Terra).

Segundo Carlos Xavier Viegas, “a ideia é a de que a plataforma receba dados relativos ao terreno, como a topografia e vegetação existente e, através de algoritmos e simuladores de fogo, faça uma sugestão da melhor gestão da biomassa no terreno, seja para cumprir a legislação em vigor, seja para reduzir a suscetibilidade dos impactos dos fogos rurais no terreno”.

Para tal, será necessário “um misto de recolha de dados de várias fontes”, como do Copernicus (programa europeu de observação da Terra) e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que serão conjugados “com observações no terreno”, através da recolha de dados com recurso a drones e sensores, referiu.

Com um mapeamento detalhado da topografia e da vegetação presente no terreno, pode-se saber se o local está gerido de acordo com a legislação em vigor e, com recurso a modelos de comportamento do fogo, identificar os pontos mais vulneráveis e fazer uma gestão florestal de acordo com essa informação.

“Aplicar a lei em vigor não chega. Há zonas onde a aplicação faz sentido, mas noutros sítios faz sentido ser-se ainda mais restritivo”, vincou Carlos Xavier Viegas.

Segundo o coordenador da equipa, a plataforma poderá depois ser aplicada por Governos, autarquias ou clientes privados.

A equipa espera agora terminar dentro de ano e meio o protótipo da plataforma para demonstração, disse.

De acordo com o IPN, que coordena o programa ESA BIC Portugal, a iniciativa, que está a funcionar há cinco anos, já incubou 30 empresas, que permitiram a criação de cerca de 100 novos postos de trabalho, com um volume de negócios total de cerca de cinco milhões de euros e uma capacidade de exportação de mais de 75%.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Vitacress participou na Business Transformation Summit 2019
Próximo Quais os reais efeitos do setor pecuário no impacto ambiental?

Artigos relacionados

Últimas

Casas por reconstruir em Monchique? Governo reconhece complexidade da situação

O gabinete do ministro das Infraestruturas remete todas as explicações sobre o atraso na reconstrução das casas afetadas pelo incêndio em Monchique, […]

Comunicados

Trigger.Systems assina com a Portugal Ventures

A Trigger.Systems é uma startup sediada no Fundão que se dedica à criação de diversas soluções baseadas em IoT (Internet of Things) para vários sistemas aplicados à agricultura e ao ambiente. […]

Nacional

Dezoito albufeiras com menos de 40% de água no final de agosto. Barragens do Algarve são as que têm níveis mais baixos

A bacia Ribeiras do Barlavento era a que apresentava no final de agosto a menor disponibilidade de água, com 18,3%, quando a média se situa nos 62,5%. Esta bacia encontra-se a vermelho. […]