‘Startup’ de Coimbra desenvolve plataforma para melhorar prevenção de incêndios

‘Startup’ de Coimbra desenvolve plataforma para melhorar prevenção de incêndios

A ‘startup’ de Coimbra Bold Robotics recebeu um apoio da Agência Espacial Europeia para desenvolver uma plataforma que usa dados de observação da Terra para otimizar a prevenção de incêndios e a gestão de terrenos florestais.

A ‘startup’, sediada no Instituto Pedro Nunes (IPN), junta investigadores da área da robótica e dos incêndios, que desenvolvem em conjunto uma plataforma digital que pretende melhorar a gestão de terrenos florestais, de forma a garantir uma melhor prevenção de incêndios, disse à agência Lusa um dos sócios fundadores da empresa Carlos Xavier Viegas.

Contando com um protocolo com o Centro de Estudos Sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra, a plataforma recebeu um financiamento de 50 mil euros por parte do ESA BIC Portugal (programa da Agência Espacial Europeia de fomento à aplicação de tecnologia do espaço na Terra).

Segundo Carlos Xavier Viegas, “a ideia é a de que a plataforma receba dados relativos ao terreno, como a topografia e vegetação existente e, através de algoritmos e simuladores de fogo, faça uma sugestão da melhor gestão da biomassa no terreno, seja para cumprir a legislação em vigor, seja para reduzir a suscetibilidade dos impactos dos fogos rurais no terreno”.

Para tal, será necessário “um misto de recolha de dados de várias fontes”, como do Copernicus (programa europeu de observação da Terra) e do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que serão conjugados “com observações no terreno”, através da recolha de dados com recurso a drones e sensores, referiu.

Com um mapeamento detalhado da topografia e da vegetação presente no terreno, pode-se saber se o local está gerido de acordo com a legislação em vigor e, com recurso a modelos de comportamento do fogo, identificar os pontos mais vulneráveis e fazer uma gestão florestal de acordo com essa informação.

“Aplicar a lei em vigor não chega. Há zonas onde a aplicação faz sentido, mas noutros sítios faz sentido ser-se ainda mais restritivo”, vincou Carlos Xavier Viegas.

Segundo o coordenador da equipa, a plataforma poderá depois ser aplicada por Governos, autarquias ou clientes privados.

A equipa espera agora terminar dentro de ano e meio o protótipo da plataforma para demonstração, disse.

De acordo com o IPN, que coordena o programa ESA BIC Portugal, a iniciativa, que está a funcionar há cinco anos, já incubou 30 empresas, que permitiram a criação de cerca de 100 novos postos de trabalho, com um volume de negócios total de cerca de cinco milhões de euros e uma capacidade de exportação de mais de 75%.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Bruselas tiene ya un proyecto de reglamento con medidas transitorias para prorrogar la PAC actual
Próximo Quais os reais efeitos do setor pecuário no impacto ambiental?

Artigos relacionados

Dossiers

El Gobierno abre la puerta a poner fin a los derechos históricos de la PAC con el nuevo Plan Estratégico nacional

El ministro de Agricultura, Pesca y Alimentación en funciones, Luis Planas, ha abierto la puerta a que dentro del próximo Plan Estratégico Nacional se pueda poner fin a los derechos históricos de la PAC, […]

Últimas

“Os regulamentos estão a diminuir o potencial da região do Douro”

A recente conferência Climate Change Leadership foi o pretexto para uma conversa com Adrian Bridge, CEO do Grupo Fladgate Partership e organizador deste evento. […]

Últimas

Monção está a reflorestar áreas ardidas

Ao longo desta semana, o concelho de Monção está a ser reflorestado com a plantação de 3000 árvores autóctones em locais fustigados pelos incêndios de outubro de 2017. […]