Quais os reais efeitos do setor pecuário no impacto ambiental?

Quais os reais efeitos do setor pecuário no impacto ambiental?

[Fonte: UTAD] Investigadores debateram o tema na UTAD

Numa organização de um grupo de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes (UTAD) ligados ao Departamento de Zootecnia, decorreu no dia 30 de outubro, no auditório de Ciências Agrárias, um seminário de reflexão e debate subordinado ao tema “Impacto Ambiental da Produção Animal” e apostado em apresentar uma visão científica sobre uma matéria que tem ocupado recorrentemente opinião pública nos últimos tempos.

Estiveram presentes cerca de 200 participantes entre alunos e docentes da UTAD, sendo que cerca de 50 dos participantes eram técnicos e/ou produtores pecuários. A apresentação das palestras e a discussão decorreram de forma muito dinâmica e com elevada participação do público na fase de debate, o que valeu à organização muitos elogios pelo nível e clareza das abordagens.

Foi opinião generalizada que ocorre muita desinformação no que respeita aos impactos ambientais gerados pela produção animal, considerando-se que o setor pecuário é alvo de uma responsabilização sobre o impacto no ambiente que não condiz com a realidade. Foi dito que o setor pecuário tem, nos últimos 50 anos, melhorado a sua eficiência e diminuído o seu impacto por unidade de alimento produzido, seja carne, leite ou ovos e, sendo o setor que neste período e atualmente mais aplica os princípios da reutilização e da economia circular. Por exemplo, grande parte dos coprodutos resultantes das indústrias agroalimentares é utilizada pelos animais, a saber: sêmeas de cereais (vulgo farelo), bagaços de oleaginosas, polpas de beterraba e de citrinos, destilados da indústria produtora de biocombustíveis, entre outros.

Foi também reconhecido o impacto do setor nas emissões globais de origem antropogénica correspondente a 14,5% e destacada a responsabilidade muito mais significativa de outros setores, como é o caso da produção de energia, transportes, manufatura e construção, tratamento de resíduos urbanos.

Ao mesmo tempo, fez-se um ponto da situação sobre o que está a ser feito, ou está em investigação, ao nível do maneio e da nutrição e alimentação dos animais, e que poderá contribuir para uma maior eficiência e redução dos impactos.

Comente este artigo
Anterior 'Startup' de Coimbra desenvolve plataforma para melhorar prevenção de incêndios
Próximo Previsão de longo prazo - 04 nov. a 01 dez. 2019

Artigos relacionados

Últimas

O sector das frutas, legumes e flores não para!

A Páscoa passou mas a crise continua e por isso a cadeia agroalimentar não pára! Com o seu apoio e apostando na produção nacional conseguiremos […]

Nacional

Ministérios do Ambiente e Agricultura criam plano de avaliação das bacias hídricas do Alentejo

A elaboração das bases do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Alentejo já foram publicadas em Diário da República. […]

Dossiers

Oferta de emprego – Técnico de Qualidade e Certificações – Engenheiro Agrónomo – Odemira

A Sudoberry SA. procura Engenheiro Agrónomo. Funções: Gestão e coordenação de todo o processo que afeta a qualidade […]