Silagem de erva 2021

Silagem de erva 2021

“O processo de conservar forragem sob a forma de silagem é antigo, tendo já sido usado por egípcios e romanos, em fossas, silos e depois em barris de vinho, durante a época medieval. No século 19 o processo de ensilagem desenvolveu-se na Europa e chegou aos Estados Unidos, de tal modo que em 1888 decorreu o 5º congresso da Silagem em Nova Iorque.

Este processo de conservação baseia-se na fermentação láctica da matéria vegetal rica em açúcares, nomeadamente milho ou ervas como azevém, trigos, aveia, cevada, em que as bactérias lácticas, na ausência de oxigénio, degradam a matéria orgânica produzindo ácido láctico e outros ácidos orgânicos, baixando o pH, o que permite a conservação ao longo de todo o ano, podendo-se assim aproveitar as plantas da época de maior produção para alimentar os animais ao longo de todo o ano de forma estável e regular. Perdem-se alguns nutrientes em relação à erva fresca, mas a silagem é mais nutritiva e digestiva que o feno.

O milho é cortado e ensilado diretamente, quando já tem cerca de 30-35% de matéria seca. Como a erva verde, nesta altura, tem muito mais humidade que iria , cortámos, espalhamos e deixamos secar 2 ou 3 dias antes de recortar, carregar para os reboques, transportar para o silo, calcar a silagem para tirar o máximo de oxigénio e cobrir com plástico para que não possa voltar a entrar oxigénio. Se houver um buraco no plástico do silo (ou do rolo de erva plastificado) o oxigénio que vai entrar vai permitir o desenvolvimento de bolores e apodrecimento da matéria vegetal.

É possível que algumas pessoas tenham a ideia que alimentar as vacas com silagem é um processo moderno e artificial, por oposição às alimentação direta na pastagem com erva fresca. Pelo contrário, como expliquei atrás, a silagem é um processo natural com milhares de anos. Nem todos os países ou regiões têm condições de pastagem durante todo o ano ou possibilidade para deslocar os animais ao pasto. Por isso as silagens de milho e erva são a base da alimentação das vacas que produzem a maior parte do leite no mundo.”

(fotos de 31 Março 2021. Texto de 25 de Abril de 2020)

O artigo foi publicado originalmente em Carlos Neves Agricultor.

Comente este artigo
Anterior Live: Impacto das alterações climáticas no olival de sequeiro
Próximo O olival moderno e o espírito brincalhão - Gonçalo Almeida Simões

Artigos relacionados

Últimas

Encontro Internacional da Phytoma sobre a fitossanidade no cultivo do tomate – 11 e 12 de dezembro – Múrcia

O Encontro Internacional Phytoma sobre “A fitossanidade no cultivo do tomate: dos riscos atuais às novas ameaças” vai realizar-se no Auditório e Palácio de Congressos “Infanta Doña Elena” de Águilas, […]

Notícias meteorologia

Tempo muito quente em Portugal continental

A segunda quinzena de maio e em particular a partir do dia 17 tem sido caracterizada por valores altos da temperatura máxima do ar, muito […]

Últimas

Candidaturas à Academia do Centro de Frutologia Compal até 27 de Fevereiro

O prazo de entrega de candidaturas à sétima edição da Academia do Centro de Frutologia Compal foi prolongado até 27 de Fevereiro. […]