Segunda edição da escola de pastores arranca em junho

Segunda edição da escola de pastores arranca em junho

A segunda edição da escola de pastores arranca em junho e surge com uma abrangência maior, em termos de impacto territorial ao nível da região Centro, com a inclusão da Escola Superior Agrária de Coimbra, foi hoje anunciado.

“Esta edição da escola [de pastores] surge numa lógica de continuidade da edição anterior, que funcionou como um projeto piloto. Traz consigo um conjunto de ensinamentos para a aprendizagem e que agora se vê reforçada e materializada nesta segunda edição”, afirmou à agência Lusa a presidente da Inovcluster, Cláudia Domingues Soares.

A segunda edição da escola de pastores já tem as candidaturas abertas, sendo que os interessados podem efetuar a respetiva inscrição até ao dia 24 de maio.

A duração é de 560 horas de formação, 150 de componente teórica e 410 de componente prática e as aulas da escola de pastores realizam-se nas Escolas Superiores Agrárias de Castelo Branco, Viseu e Coimbra.

“Junta-se a esta dinâmica, a Escola Superior Agrária de Coimbra que, em conjunto com as escolas de Castelo Branco e de Viseu, vão dar inicio, já no próximo dia 14 de junho, à componente teórica desta segunda edição”, refere a presidente do Inovcluster.

Cláudia Domingues Soares realça a importância dos formandos obterem sucesso na frequência da escola, visto que se trata “de uma das condições necessárias, não a única, para que posteriormente os empreendedores estejam em condição de concorrer ao vale pastor”.

“Esta edição surge no seguimento do sucesso que foi a primeira e tem agora uma abrangência maior, em termos impacto territorial ao nível da região Centro, com a inclusão da Escola Agrária de Coimbra”, conclui.

O objetivo é capacitar os formandos para a produção de leite destinado ao fabrico de Queijos Serra da Estrela Denominação de Origem Protegida (DOP), Beira Baixa DOP e Rabaçal DOP, de forma mais otimizada, segundo critérios de bem-estar animal, prevenção de riscos ocupacionais, proteção ambiental e segurança alimentar.

Destinada a abranger as três regiões DOP do Centro (Beira Baixa, Serra da Estrela e Rabaçal), a formação tem um total de 36 vagas disponíveis.

O Programa de Valorização da Fileira do Queijo da Região Centro iniciou-se em 01 de janeiro de 2019, envolve um investimento total de 2,7 milhões de euros, sendo que 2,3 milhões correspondem a este programa, financiado em 85% pelo programa Centro 2020, e 428 mil euros dizem respeito à iniciativa Rota Turística e Gastronómica Queijos da Região Centro, financiada em 65% através do Valorizar.

A iniciativa é liderada pela Inovcluster – Associação do Cluster Agroindustrial do Centro e junta um total de 14 entidades, entre as quais quatro comunidades intermunicipais (Beira Baixa, Beiras e Serra da Estrela, Região de Coimbra e Viseu Dão Lafões), cinco associações do setor, três institutos politécnicos (Castelo Branco, Viseu e Coimbra) e o Centro de Biotecnologia de Plantas da Beira Interior.

Escola de Pastores com nova edição em 2021

Comente este artigo
Anterior Viseu Dão Lafões apresenta Sistema Integrado de Videovigilância para a Prevenção de Incêndios Florestais
Próximo Ministra anuncia apoio excecional de 8 ME para o setor do vinho

Artigos relacionados

Últimas

Live: A problemática das pragas na viticultura atual – sistemas de apoio à decisão

A produção vinícola representa um dos mais importantes setores económicos nacionais e internacionais, tendo a exportação vindo a crescer nos últimos anos. A ocorrência de pragas […]

Últimas

Incêndios. Altice denuncia contrato para enterrar cabos por falta de viabilização de condições

Na sequência dos incêndios de Pedrógão Grande foi assinado em 07 de dezembro de 2017 um protocolo entre a Altice Portugal e a IPTelecom (IPT), […]

Últimas

Oferta de emprego – Agrónomo / Enólogo – Grândola

Empresa bem estabelecida no mercado, dedicada à produção e comercialização de vinhos procura para Grândola: […]