Sector agroalimentar – Mais uma oportunidade perdida? – Gonçalo Almeida Simões

Sector agroalimentar – Mais uma oportunidade perdida? – Gonçalo Almeida Simões

Agora que começamos lentamente a entrar na fase de desconfinamento e que o sector agroalimentar ganhou uma nova centralidade, é crucial capitalizar o momento de forma duradoura. Esta crise pandémica, tal como a crise financeira de 2008, confirmou mais uma vez que o sector agroalimentar é um dos protagonistas em termos de resiliência económica e de empatia com o consumidor que tende agora a comprar o que é produzido em Portugal.

Quando ser o eterno bom exemplo sabe a pouco !

Os ganhos do sector agroalimentar com a crise de 2008 que resistiram aos dias de hoje são sobretudo internos e intimamente relacionados com uma nova geração de empreendedorismo que trouxe modernidade à nossa agricultura, fruto de um bom aproveitamento de fundos comunitários, permitindo colocar alguns sectores nacionais com mérito próprio na vanguarda mundial. Já em termos externos e comunicacionais, a visibilidade foi temporária e com os primeiros sinais de um tempo pós-crise, rapidamente os decisores políticos e a imprensa remeteram novamente o sector para segundo plano, entusiasmando-se então com as novas tecnologias. Refiro-me às start up’s que aparecem de forma fulgurante para depois se eclipsarem, numa mão cheia de nada, arrastando consigo financiamento público e privado. Honra seja feita aos 20% de start up’s bem sucedidas e que alguns anos depois têm uma história de sucesso para contar, porque realmente tinham uma proposta real de criação de valor.

A necessidade de profissionalização da imagem é um must !

Ao dia de hoje, estamos novamente perante uma fase de transição que não deve ser desperdiçada pelo sector do ponto de vista comunicacional e de interação com os stakeholders. Com efeito, o agroalimentar tem uma tendência natural para, de uma forma apaixonada, pensar sobretudo naquele que é o seu “core business”, ou seja, a parte técnica do seu trabalho, mas comete o pecado capital de esquecer que hoje o sector agroalimentar só tem um caminho, que é o de integrar a comunicação e o lobby como custos operacionais da sua atividade. Deixou de ser uma opção para passar a ser uma variável da equação de sobrevivência económica. Hoje, mais do que nunca, o sector tem que profissionalizar a forma como comunica, a estratégia de convencimento que utiliza e a forma como trabalha a sua rede de contactos.

Reactividade vs proactividade

Chegou ao fim o tempo da reatividade, vivemos numa época de proatividade em que as boas notícias para o sector têm que ser trabalhadas 365 dias/ano e não apenas quando o reitor da Universidade de Coimbra decide proibir a carne de vaca nas cantinas ou quando 6 ONG’s ambientais se juntam para criticar as derrogações do Governo no contexto do greening. É preciso sermos duros e verdadeiros com nós mesmos e concluir que, apesar de bons exemplos individuais e de momentos que correram bem, a realidade é outra. Alguns setores ou empresas já apostaram individualmente nesta continuidade com bons resultados, mas em geral há um enorme trabalho a fazer para que o sector agroalimentar se possa orgulhar de utilizar o “state of the art”, colocando-se ao nível de outros sectores económicos que começaram esta caminhada há mais tempo.

O recente episódio dos manuais escolares utilizados na telescola e que têm erros grosseiros e inadmissíveis num país que supostamente está acima da média no ranking de educação da OCDE, é um bom exemplo daquilo que deve ser um trabalho diário e sistemático. Enviaram-se cartas abertas e bem, haverá uma reunião com a Ministra da Educação e Agricultura, o que é óptimo, mas e depois? Quem reunirá com os editores ? Quem colocará pressão constante nos governo ? Quem levará o problema aos grupos parlamentares da AR? Quem reunirá com as associações de pais e com os agrupamentos de escolas ? Quem contactará a OCDE para denunciar este problema? Quem pensará numa estratégia para que o problema tenha eco continuado na comunicação social ate estar resolvido?

O autismo do sector

Há uma certa tendência de autismo sectorial dentro do sector agroalimentar que aliás existe em todos os outros sectores e que deve ser combatida de forma vigorosa. Hoje o agroalimentar ganha prémios internacionais, recorre às melhores técnicas de agricultura de precisão, tem uma performance económica invejável em termos de contribuição para o PIB, é campeão de exportações, mas ainda assim é alvo de críticas e de mitos que, sem base científica, vão formando mentalidades. É preciso ver de fora para dentro e não de dentro para dentro como se tem feito até hoje. Não importa como o sector agroalimentar se vê quando se olha no espelho, pois essa é uma imagem de Cinderela, o que é preciso é perceber a dinâmica da sombras refletidas nas paredes das cavernas, à boa maneira platónica, para perceber que aquilo que nós vemos, não é aquilo que os outros vêem, mesmo que o problema seja da visão limitada que os seus olhos alcançam ou do par de óculos que grupos de interesse lhes emprestam de forma aparentemente inocente. A imagem de cada sector não é mais que um jogo de sombras chinês, em que o espectador vê o que lhe mostram e não realmente o que está a acontecer.

Este combate tem um princípio e há métricas que nos permitem perceber como está a correr, mas não tem um fim. Recorrendo a uma imagem mais metafórica: é como tratar de uma planta de forma preventiva, é um custo operacional que carece de investimento e que para a conta de cultura seria mais simpático não o fazer, mas sabe-se que se não for feito para o próximo ano a praga voltará a aparecer e talvez com mais força. Ou ainda como um seguro agrícola que sendo voluntário é um investimento, mas no dia em que houver uma intempérie que não manda anunciar quando chega, não haverá apólice de seguro para ser reclamada.

Uma corrida de fundo

É tempo de o sector perceber que o esforço tem que ser feito de uma forma combinada, por forma a criar sinergias. A individual para que haja campeões sectoriais com boas histórias para contar em que, por exemplo, a internacionalização de certo produto leva ao patriotismo no consumo desse mesmo produto a nível local e a coletiva, em que o sector agroalimentar age e comunica em bloco, sem invejar o exemplo escolhido que se está a utilizar estrategicamente em determinado momento, pois há que perceber de uma vez por todas que a sobrevivência individual passa pelo sucesso da dinâmica de grupo, neste caso do sector agroalimentar como um todo.

Um caminho obrigatoriamente diferente

Durante muito tempo, o sector agroalimentar considerou que para evitar más notícias, a solução era cerrar fileiras e negar-se a declarações, quando o que deve ser feito é precisamente o contrário. Para se fazer parte deste novo mundo, é preciso saber interpretá-lo e conviver com ele de forma mais colaborante e menos maniqueísta. Os primeiros tempos serão de dissabores, depois virá uma certa normalidade e só depois as vitórias. Serão ciclos de derrotas e vitórias, mas o mais relevante é colocar o sector agroalimentar numa velocidade de cruzeiro constante que lhe permita usufruir de um respeito inequívoco, por parte da sociedade, da comunidade científica e da classe política, por forma a não viver em constante sobressalto.

Sucesso acompanhado de uma visão estratégica e uma nova forma de comunicar é o que desejo a um sector que tem tudo para dar certo, mas com grandes desafios pela frente, veja-se a muito recente estratégia “Farm to Fork” que acaba de ser apresentada pela Comissão Europeia !

Gonçalo Almeida Simões
Consultor para o setor agroalimentar e especialista em Public affairs, Governmental affairs e Assuntos europeus

Comente este artigo
Anterior Bruxelas quer reduzir em 50% o uso de pesticidas até 2030
Próximo Os agricultores e as cooperativas agrícolas europeias alertam para que não se coloque em risco os interesses estratégicos da União Europeia ao nível da segurança alimentar, da competitividade do setor agrícola e do rendimento dos agricultores e produtores pecuários

Artigos relacionados

Nacional

Empresas que mais consomem floresta não divulgam dados

Os dados fazem parte de um relatório hoje divulgado pela organização ambientalista Carbon Disclosure Project (CDP, com sede no Reino Unido), […]

Nacional

Câmara de Arganil destruiu 324 ninhos de vespa asiática em 2019

“Em 2019, a somar aos 324 ninhos desta espécie invasora predadora das abelhas, foram destruídos 146 de vespa crabro, também conhecida como vespa europeia, […]

Nacional

Água nas barragens dá para abastecer região até final do ano – Águas do Algarve

A água armazenada nas barragens algarvias é suficiente para o consumo humano na região até ao final do ano e não há […]