Universidade de Coimbra elimina carne de vaca das cantinas universitárias

Universidade de Coimbra elimina carne de vaca das cantinas universitárias

A Universidade de Coimbra (UC) vai eliminar o consumo de carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de janeiro de 2020, anunciou hoje o reitor, Amílcar Falcão.

Este será o primeiro passo para, até 2030, tornar a UC “a primeira universidade portuguesa neutra em carbono”, disse o reitor na cerimónia de receção aos estudantes.

“Vivemos um tempo de emergência climática e temos de colocar travão nesta catástrofe ambiental anunciada”, sublinhou, na sua intervenção, perante centenas de alunos.

A carne de vaca será substituída “por outros nutrientes que irão ser estudados, mas que será também uma forma de diminuir aquela que é a fonte de maior produção de CO2 que existe ao nível da produção de carne animal”.

“Eu creio que o maior impacto é a consciencialização das pessoas para o problema. Aquilo que é mais dramático é ver os líderes mundiais a não perceberem que está em causa o futuro do planeta e dos nossos jovens, dos nossos filhos e netos e, isso, é demasiado preocupante para não alertarmos para o problema, mesmo que sejam pequenos gestos”, disse, aos jornalistas.

Por ano, cerca de 20 toneladas de carne de vaca são consumidas nas 14 cantinas universitárias da UC.

Num discurso totalmente virado para o ambiente, o reitor anunciou também que a UC vai substituir os produtos em plástico do ‘kit’ de receção aos novos estudantes por objetos metálicos e as embalagens e utensílios descartáveis por paletinas de madeira e palhinhas de papel.

Entre as diversas medidas que estão a ser tomadas, Amílcar Falcão destacou também uma “política rigorosa contra o desperdício alimentar, promovendo a eficiência na utilização dos alimentos”, e a colocação de ecopontos e contentores para os vários tipos de resíduos nas residências universitárias.

Os novos estudantes são também convidados a aderir ao programa “UC.Plantas”, que consiste na plantação de uma árvore no Jardim Botânico, que depois serão transferidas para espaços verdes da região, “reflorestando zonas devastadas por incêndios ou por tempestades, como foi o caso Leslie”.

“Temos tomado várias medidas desde a plantação de árvores até à colocação de painéis fotovoltaicos, mas iremos agora fazer outras alterações, nomeadamente ao nível do tráfego, no polo I, por exemplo, para diminuir as emissões de carbono”, adiantou.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Cantinho das Aromáticas conquista Great Taste Awards 2019
Próximo Incêndios: PJ deteve suspeitos fogo posto em Valpaços e Chaves

Artigos relacionados

Nacional

Agricultor cultiva abóbora gigante com 450 quilos

José Santos, de 39 anos, é barman de profissão, mas tem na agricultura a sua grande paixão. Na sua pequena horta, […]

Nacional

CNA leva “Agricultura, Mundo Rural e estatuto da Agricultura Familiar” à FNA

No próximo dia 14 de junho, a CNA promove um seminário dedicado ao tema “Agricultura, Mundo Rural e Estatuto da Agricultura Familiar”, […]

Nacional

Mau tempo: Confederação Nacional da Agricultura aponta “prejuízos sérios” nos pastos e critica “propaganda” do Governo

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) assegurou hoje que, na sequência das depressões Elsa e Fabien, foram registados “prejuízos sérios” nos pastos, […]