Seca leva Governo cabo-verdiano a pagar 30% do alimento ao gado na Boa Vista

O Governo cabo-verdiano vai distribuir vales por criadores de gado para comparticipar 30% do alimento dos pequenos ruminantes na ilha da Boa Vista, que enfrenta o quarto ano consecutivo de seca, segundo resolução que entra hoje em vigor.

A medida, aprovada em Conselho de Ministros, recorda que aquela ilha, profundamente dependente também do turismo, setor estagnado há um ano devido à pandemia de covid-19, conta com 1.700 famílias dependentes da produção agrícola e pecuária, equivalente a 68% da população, contribuindo este apoio “para a segurança alimentar e atividade económica geradora de rendimento”.

A resolução define que a subvenção é atribuída pelo Governo de Cabo Verde, através do Ministério da Agricultura e Ambiente, no valor correspondente a 30% do custo do alimento, devendo o criador comparticipar os restantes 70%, medida que abrange “todos os criadores de gado ruminante na ilha da Boa vista”.

De acordo com o Governo, o principal produto resultante da criação de pequenos ruminantes na Boa Vista é o queijo de fabrico artesanal, “cuja tradição e apreciação vêm resistindo às secas ocorridas na ilha”.

“A atividade pecuária, enquanto atividade geradora de rendimento para as famílias, constitui um complemento às demais existentes na ilha, sobretudo a do turismo. Contudo, a ilha enfrenta mais um ano de seca, o quarto consecutivo, com resultados negativos na produção agropecuário, sobretudo na produção de forrageira, avaliada de quase nula”, reconhece o Governo.

A subvenção será atribuída aos criadores de gado para aquisição de ração e fardos de feno, “acordada com a empresa fabricante e distribuidora, através de ‘vales cheque’, visando a manutenção do efetivo ruminante e a segurança alimentar dos criadores da ilha da Boa Vista”.

“A perda de rendimento das famílias face à seca prolongada registada na Boa Vista foi agravada pela quebra acentuada de outros rendimentos provenientes do turismo, enquanto atividade dinamizadora e geradora de rendimentos na ilha, como consequência dos impactos negativos sociais e económicos provocados pela pandemia da covid-19”, reconhece o Governo, na mesma resolução.

O executivo liderado por Ulisses Correia e Silva justifica este apoio com a necessidade de “manter a capacidade produtiva do efetivo de ruminantes”, bem como a “estabilidade dos preços dos produtos de origem animal (carnes, leite e derivados) e a segurança alimentar dos criadores da ilha da Boa Vista”.

Comente este artigo
Anterior Mato de terreno público por limpar há 12 anos “invade” quintal em Viana do Castelo
Próximo How CRISPR can create more ethical eggs

Artigos relacionados

Sugeridas

Recomendações para as variedades de trigo duro a semear

No caso do Trigo Duro, e para a Classe A, as recomendações da Lista de Variedades Recomendadas são Celta; Don Norman; […]

Últimas

Incêndios: Autarcas de Oleiros, Castelo Branco e Proença-a-Nova pedem ajuda urgente ao Governo

Os presidentes dos municípios de Oleiros, Proença-a-Nova e Castelo Branco apelaram ao Governo e ao Presidente da República para a tomada de medidas de apoio urgentes na sequência do incêndio […]

Últimas

Mau tempo regressa a todo o país. E vai chover no Algarve depois de meses de seca

Há distritos em alerta amarelo por causa da neve e da agitação marítima. Para a semana está também prevista chuva para a região do Algarve, […]