Seca. Afluências às barragens ficam acima da média histórica no mês de novembro

Seca. Afluências às barragens ficam acima da média histórica no mês de novembro

De acordo com dados da gestora da rede elétrica, no acumulado do ano, o índice de produtibilidade hidroelétrica anual ficou em 0,65 (média histórica igual a 1), reflexo do regime seco que se tem verificado e que apenas foi interrompido em novembro.

No mês em análise, as condições foram particularmente favoráveis à produção eólica, registando a segunda produção eólica mensal mais elevada de sempre, correspondendo a um índice de produtibilidade de 1,53 (média histórica igual a 1).

No dia 22 de novembro, a produção eólica atingiu um novo máximo diário – os 103,1 GWh -, superando o anterior máximo histórico de 102,4 GWh, que tinha sido alcançado em fevereiro de 2019.

Em novembro, a produção renovável abasteceu 65% do consumo nacional mais saldo exportador, o valor mais elevado registado este ano, e a produção não renovável abasteceu 35% do consumo nacional. O saldo exportador correspondeu a cerca de 5% do consumo nacional.

Desde o início do ano, predominam as fontes renováveis com 47% do consumo nacional, cabendo às não renováveis 44%, com os restantes 9% a serem abastecidos por importação.

Nas renováveis, destacam-se as eólicas com 26% do consumo, as hidroelétricas com 14%, a biomassa 5,5% e as fotovoltaicas com 2,2%. Nas não renováveis, o gás natural abasteceu 33% do consumo e o carvão não ultrapassou os 11%, mantendo-se no final do ano com valores historicamente baixos.

O consumo de eletricidade aumentou 1,4% no mês de novembro, mas no acumulado do ano regista-se uma queda de 1,5% em relação ao ano anterior, de acordo com dados da REN.

Ainda segundo os dados divulgados hoje, em novembro, o mercado de gás natural manteve a tendência de crescimento que se tem verificado, com uma variação de 5,1% face ao mesmo mês do ano anterior.

Esta evolução resultou de um crescimento de 22% no mercado elétrico, atenuada por uma contração de 2,4% no segmento convencional que abrange os restantes consumidores.

Desde o início do ano, até ao final de novembro, o consumo de gás natural registou uma variação anual homóloga de 4,6%, resultado de crescimentos de 0,5% no mercado convencional e de 13% no mercado elétrico, onde as centrais a gás natural têm vindo, com uma forte utilização, a substituir as centrais a carvão.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24 .

Anterior Crédito Agrícola premeia projectos inovadores ligados ao meio rural
Próximo Governo dos Açores e Ministra da Agricultura juntos por uma melhor proposta da PAC

Artigos relacionados

Últimas

Portugal “consome mais água do que deve”, alerta a WWF

Num contexto de alterações climáticas, Portugal enfrenta cenários de secas mais prolongadas e de escassez de água. Contudo, “continua a consumir mais água do que devia, […]

Sugeridas

Sr. Reitor, onde está a ação climática da Universidade de Coimbra? – Paulo Canaveira

A abordagem escolhida é contra-produtiva por ser simplificadora, tecnicamente incorrecta e socialmente injusta, ao “condenar” moralmente até os produtores com as melhores práticas e que contribuem positivamente para a descarbonização. […]

Notícias florestas

MAAVIM – balanço da actividade do Movimento Apoio às Vitimas dos Incêndios de Midões

A MAAVIM (Movimento Associativo de Apoio às Vitimas dos Incêndios de Midões) apresentará publicamente o balanço da actividade deste movimento, bem com serão dadas a conhecer as novas atividades a fazer, […]