Rio diz que situação em Odemira “envergonha” Portugal e questiona “o que fez o MAI”

Rio diz que situação em Odemira “envergonha” Portugal e questiona “o que fez o MAI”

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que Portugal “tem todas as razões para se envergonhar” da situação dos trabalhadores imigrantes de Odemira e questionou “o que fez o Ministério da Administração Interna”.

“Acho que Portugal todas as razões para se envergonhar de semelhante situação, não temos ali escravidão como era há 200 anos atrás, mas temos quase escravidão e a minha pergunta é: o que é que fez o Ministério da Administração Interna através, por exemplo, da GNR?”, questiona Rui Rio, num excerto transmitido no Telejornal da “Grande Entrevista”, que será divulgada na íntegra a partir das 22:00 na RTP3.

O líder do PSD manifestou ainda estranheza pelas notícias que referem que a Polícia Judiciária está a investigar “há mais de dois anos” denúncias de imigração ilegal e tráfico de pessoas.

“Eu pergunto: a investigar o quê? A pessoa vai a Odemira e ao fim de pouco tempo olha e vê as pessoas ali, tem as denúncias. Ficam mal os empresários que fazem aquilo, mas fica particularmente mal o poder público, seja através do Ministério da Administração Interna, seja do Ministério do Trabalho ou do Ministério da Justiça”, refere.

“Agora vão todos para lá a correr, aquilo é uma vergonha”, acrescenta.

Duas freguesias do concelho de Odemira (São Teotónio e Longueira/ Almograve) estão em cerca sanitária por causa da elevada incidência de covid-19 entre os imigrantes que trabalham na agricultura e que vivem em condições precárias.

Na quinta-feira, em conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro, António Costa, sublinhou que “alguma população vive em situações de insalubridade habitacional inadmissível, com hipersobrelotação das habitações”, relatando situações de “risco enorme para a saúde pública, para além de uma violação gritante dos direitos humanos”.

Comente este artigo
Anterior ACT fiscalizou desde o ano passado 108 empresas agrícolas em Odemira e detetou 123 infrações
Próximo "Não há portugueses quase a trabalhar nesta agricultura, ninguém quer ser escravo na sua terra"

Artigos relacionados

Últimas

Quer plantar vinha? Candidaturas abrem a 1 de abril

O período de submissão de candidaturas às novas autorizações de plantação de vinha para o ano de 2019 decorre entre os dias 1 de abril e 15 de maio. […]

Nacional

Governo altera medida do PDR permitindo a submissão de novas operações

O Governo voltou a alterar o regime de aplicação da medida “funcionamento e animação” do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020, […]

Nacional

Autarquias reclamam intervenção na gestão florestal


O Dia Internacional da Floresta, 21 de março, foi comemorado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro com debates sobre a valorização económica dos territórios florestais. […]