Resultados Comercialização 2017 – Vinhos da Região Demarcada do Douro

Resultados Comercialização 2017 – Vinhos da Região Demarcada do Douro

2017 foi um ano de recordes para os vinhos com Denominação de Origem Protegida/ Indicação Geográfica Protegida da Região Demarcada do Douro. Registaram-se vendas no total de 556 milhões de euros, correspondentes a 13,7 milhões de caixas. Em relação a 2016, a subida em volume de negócios foi de 3,6% e em quantidade de 2,2%.

O Vinho do Porto manteve a tendência dos últimos três anos para um crescimento em valor das suas vendas, sem correspondente aumento em termos de quantidade. Em 2017 as vendas ascenderam aos 380,3 milhões de euros (+0,9%), correspondentes a 8,4 milhões de caixas (-1,7%). As categorias especiais registaram em 2017 quotas nunca antes atingidas, com 42,7% do valor total de Vinho do Porto vendido e 22,4% da quantidade. Esta evolução contribuiu para o aumento do preço médio de comercialização do Vinho do Porto.

No mercado nacional os resultados subiram 6% em valor e 0,2% em quantidade, compensando parte dos decréscimos verificados na exportação (-0,3% e -2,1% respetivamente). Mantiveram-se os dez primeiros mercados em valor – Portugal, França, Reino Unido, Holanda, E.U.A., Bélgica, Dinamarca, Alemanha, Canadá e Espanha – embora com duas trocas de posição entre França e Portugal e entre Canadá e Alemanha.
2017 marca, assim, a chegada de Portugal ao 1º lugar do ranking de vendas de Vinho do Porto em valor.

O Vinho do Douro registou um novo recorde de vendas com 157,3 milhões de euros (+10,7%), correspondentes a 4,4 milhões de caixas (+11,8%). Em 2017 mantiveram-se os fortes acréscimos anuais que têm vindo a registar-se nos últimos dez anos: de 2006 a 2016 as exportações de Vinho do Douro triplicaram e as vendas em Portugal mais do que duplicaram, batendo-se recordes todos os anos. Os dez principais mercados para o Vinho do Douro, que representaram 90% do valor das vendas totais em 2017, foram os mesmos de 2016, com Portugal à frente (com 61%), seguido do Canadá, registando-se as subidas no ranking do Brasil e Reino Unido, as descidas da Suíça e E.U.A. e a manutenção nos mesmos lugares da Alemanha, Angola, Bélgica e França.

As vendas de Moscatel situaram-se nos 10,8 milhões de euros (381 mil caixas), mais 3,6% do que no ano anterior, tendo o mercado português uma quota de 93%, seguido pelo Luxemburgo com 2% e Suíça com 1%.
No Duriense observou-se, no fim de 2017, um volume de negócios de 6,5 milhões de euros (393 mil caixas), mais 2,7% do que no ano anterior, sendo 81,3% deste valor de vendas em Portugal, enquanto a Bélgica teve uma quota de 2,4%, França 2,3% e China 2,2%.

Estes dados revelam um aumento generalizado dos resultados de vendas dos vinhos da Região Demarcada do Douro. Destaca-se especialmente o Vinho do Porto, em que as categorias superiores sobressaem e o preço médio sobe, anunciando um reposicionamento, e o Vinho do Douro que tem visto as suas vendas crescer contínua e sustentadamente, tanto no mercado nacional como internacional.

Comente este artigo
Anterior Conclusões e Filme - 9º Colóquio Nacional do Milho 2018
Próximo Smart Agrifood Summit - 19 de Março 2018 - Lisboa

Artigos relacionados

Nacional

Feira Nacional de Agricultura recebe seminário “Agricultura, mundo rural e estatuto da agricultura familiar”

[Fonte: Gazeta Rural]

No próximo dia 14 de Junho, a CNA promove um seminário
dedicado ao tema “Agricultura, Mundo Rural e Estatuto da Agricultura Familiar”,
no espaço da Feira Nacional da Agricultura, em Santarém.
A iniciativa decorre entre as 10h15 e as 13h00, […]

Sugeridas

É preciso recuar a 2014 para encontrar um ano com tão poucos incêndios

[Fonte: Expresso]

Dos 7915 incêndios registados este ano, cerca 85% (6712) foram de pequenas dimensões – queimaram menos de um hectare; já 33 fogos queimaram áreas entre 100 e 1000 hectares

O verão está ameno e os incêndios, salvo o que lavrou nos concelhos de Vila de Rei e Mação em julho, […]

Últimas

Condições climáticas atrasam o ciclo cultural do arroz

[Fonte: Agricultura e Mar]
O mês de Julho foi seco e as condições climáticas atrasam o ciclo cultural do arroz. Quem o diz é o Instituto Nacional de Estatística (INE), nas suas previsões agrícolas a 31 de Julho.
“No arroz as sementeiras também já […]