Relatório: O estado global da comercialização de variedades GM – 16 de dezembro

Relatório: O estado global da comercialização de variedades GM – 16 de dezembro

O relatório “Global Status of Commercialized Biotech/GM Crops: 2019” vai ser apresentado na Europa a 16 de dezembro, às 11h00, num evento online do ISAAA. Segundo o documento, no ano passado foram cultivados com variedades geneticamente modificadas cerca de 190,4 milhões de hectares de área em 29 países, contribuindo para a segurança alimentar, sustentabilidade, mitigação dos efeitos das alterações climáticas e melhoria nas vidas de até 17 milhões de agricultores e suas famílias em todo o mundo.

De acordo com o último relatório do ISAAA- International Service for the Acquisition of Agri-biotech Applications sobre o “Estado global das culturas biotecnológicas/GM comercializadas em 2019“, África é o continente que registou uma maior adoção de variedades geneticamente modificadas no ano passado.

Relativamente a países, os cinco principais produtores foram os EUA, Brasil, Argentina, Canadá e Índia, que, juntos, plantaram 91% da área global de culturas biotecnológicas. Em matéria de variedades, a soja é a que mais se cultiva (48,2%) , seguida do milho (32%), algodão (13,5%), canola (5,3&) e outras (1% – beterraba, batata, maças, abóbora, papaia e berinjela).

No total, 190,4 milhões de hectares foram cultivados em 29 países com variedades geneticamente modificadas, em 2019, contribuindo significativamente para a segurança alimentar, sustentabilidade, mitigação dos efeitos das alterações climáticas e melhoria nas vidas de até 17 milhões de agricultores e respetivas famílias, em todo o mundo.

“Durante a Revolução Verde, grandes saltos de produtividade foram obtidos com o uso de máquinas, pesticidas e fertilizantes químicos; neste período de Revolução Duplamente Verde, a biotecnologia desempenha um papel crucial para tornar as culturas mais produtivas e lucrativas. Embora a tendência de grandes agronegócios envolvendo pequenos agricultores tenha gerado muito ceticismo e até críticas, o lado positivo é que a produtividade nas pequenas propriedades pode ser duplicada ”, como afirmou o Presidente do Conselho do ISAAA, Paul S. Teng.

Leia aqui o relatório em versão resumidaPara adquirir uma cópia eletrónica do documento integral, envie um e-mail para publicaçõ[email protected]Para assistir à apresentação em direto deverá registar-se.

O artigo foi publicado originalmente em CiB - Centro de Informação de Biotecnologia.

Comente este artigo
Anterior Doença da tinta do castanheiro combatida em Alvarrões (Marvão)
Próximo Covid-19 domina tema da conferência “Agricultural Outlook 2020” da UE - 16 e 17 de dezembro

Artigos relacionados

Nacional

O sector da horticultura ornamental não parou durante a pandemia!

A pandemia instalou-se na época mais importante de comercialização do sector – o início da Primavera! Com a quebra abrupta do consumo nacional e internacional, as empresas não […]

Nacional

Mau Tempo: Granizo volta a provocar estragos em vinhas de Vila Real

O granizo e a chuva intensa provocaram hoje estragos em vinhas de Vila Real, pela segunda vez em duas semanas, bem como arrastamento de terras para caminhos e inundações em casas, […]

Dossiers

Autarca de Abrantes preocupado com ausência de decisão do Governo sobre Central do Pego

O presidente da Câmara de Abrantes manifestou hoje “enorme preocupação” pela ausência de decisão quanto ao futuro da Central Termoelétrica do Pego, lembrando que estão em causa […]