Relatório do IPCC é divulgado quarta-feira e alerta para futuro negro dos oceanos

Relatório do IPCC é divulgado quarta-feira e alerta para futuro negro dos oceanos

O Relatório Especial sobre Oceano e Criosfera num Clima em Mudança é apresentado quarta-feira

É sabido que as alterações climáticas podem afectar quase todos os aspectos do nosso quotidiano: da alimentação à escassez de água, dos fenómenos meteorológicos extremos aos riscos para a saúde humana. Os oceanos e glaciares sofrerão também consequências dramáticas, segundo apurou o Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC) num relatório especial sobre o impacto das mudanças climáticas nos oceanos e na criosfera (as partes geladas do planeta). Será apresentado esta quarta-feira, no Mónaco – o PÚBLICO estará presente na conferência.

Foi em Junho de 2017 que o relatório começou a ser alinhavado, com a selecção dos autores que fariam parte deste relatório que é agora apresentado, mais de dois anos depois. O foco está apontado ao impacto das alterações climáticas nos oceanos, mas também nas zonas costeiras e regiões polares. Juntamente com o relatório divulgado o ano passado sobre como era ainda possível limitar o aumento da temperatura global a 1,5ºC em relação aos níveis pré-industriais, estes dois documentos “são os mais actualizados” no que toca a alterações climáticas, considerou o presidente do IPCC, Hoesung Lee.

Como os oceanos estão há duas décadas a absorver parte das emissões dos gases com efeito de estufa, ficam mais quentes, mais ácidos e menos salgados – a sua concentração de oxigénio também tem baixado, afectando os ecossistemas marinhos. Os corais vão-se perdendo, o nível médio dos oceanos vai subindo, os acontecimentos climáticos extremos derivados do El Niño tornar-se-ão mais frequentes.

Se as reduções de dióxido de carbono não forem reduzidas, também a criosfera vai desaparecendo. Este termo refere-se a todos os componentes gelados da Terra: seja neve, glaciares, plataformas de gelo, icebergues, gelo dos mares, lagos e rios – ou qualquer outra superfície gelada, mesmo que sazonalmente. O relatório aborda também os futuros cenários nas regiões montanhosas em altitude, a destruição de habitats, os efeitos na biodiversidade polar e marinha e a forma como a pesca será afectada. Terá ainda projecções quanto à subida das águas do mar: quais as regiões mais afectadas, quais as implicações para as infra-estruturas de cidades costeiras mais vulneráveis e para os milhões de pessoas que se tornarão refugiados climáticas.

O relatório do IPCC surge do esforço de 104 autores – 31 mulheres e 73 homens –, oriundos de 36 países. Mesmo não havendo nenhum investigador português envolvido neste relatório sobre os oceanos, o tema está na ordem do dia e Portugal acolherá em Junho de 2020 a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, co-organizada com o governo do Quénia. A última conferência dos Oceanos foi há dois anos, em Nova Iorque, e esta próxima está agendada para 2 a 6 de Junho, em Lisboa

É o terceiro relatório do IPCC este ano. Já em Maio foi apresentado um relatório com as directrizes nacionais a seguir no que diz respeito aos gases com efeito de estufa e, em Agosto, o IPCC divulgou um relatório especial em que dava conta de que a Terra não aguenta mais o uso e abuso dos solos – que sofrem de uma dupla pressão por parte do homem e das alterações climáticas. Estima-se que entre um quarto e um terço de todas as emissões de gases com efeito de estufa provenham do uso do solo. A agricultura, florestação e outros usos da terra são responsáveis por 23% de todas as emissões de gases com efeito de estufa (CO2, metano, óxido nitroso). A produção alimentar é também uma das questões em debate nesta quarta-feira.

A apresentação deste relatório quase coincide com a Cimeira da Acção Climática da ONU, realizada em Nova Iorque na segunda-feira, e antecede a Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP25), a acontecer em Dezembro, no Chile.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Governo cria linha de crédito para agricultores lesados pelo granizo em Bragança
Próximo Montiqueijo reconhecida como empresa Eco-Friendly

Artigos relacionados

Dossiers

La tendencia en almendras varía dependiendo de la variedad


La tendencia en los precios de las almendras ha variado esta semana en función de la variedad. […]

Nacional

Valor da produção do setor agrícola aumentou

Eurostat confirma que o valor da produção do setor agrícola para 2018 aumentou (+0,7%) para um novo máximo […]

Eventos

Seminário de apresentação dos resultados do projeto ValRuMeat – 13 de novembro – Santarém

Seminário de Apresentação dos Resultados do Projeto ValRuMeat – Valorização da Carne de Ruminantes em Sistemas Intensivos de Produção […]