Região de Coimbra investe 80 mil euros na preservação de plantas ameaçadas

Região de Coimbra investe 80 mil euros na preservação de plantas ameaçadas

A Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra vai investir 80 mil euros na proteção de espécies ameaçadas nos territórios da Rede Natura 2000, no âmbito de um projeto financiado pelo Fundo Ambiental, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a CIM da Região de Coimbra (RC), presidida por José Carlos Alexandrino, explica que a “operacionalização de ações de conservação e proteção de espécies” será realizada ao abrigo de um programa designado FloraReply.

Deste modo, a CIM vai apostar na “melhoria do conhecimento e do estado de conservação do património natural e da biodiversidade”.

“Com este projeto, pretende-se preservar, conservar e propagar espécies de flora ameaçada ou em declínio na região”, sublinha.

As espécies abrangidas pelas ações são o nenúfar-amarelo (Nuphar luteum), o nenúfar-branco (Nymphaea alba), o saca-rolhas (Vallisneria spiralis), o estaque-do-baixo-mondego (Stachys palustris) e a Lysimachia Ephemerum.

Promovido em parceria com a Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC), o projeto decorre até ao final deste ano.

A candidatura aprovada pelo Fundo Ambiental “prevê o mapeamento dos locais onde ainda podem ser avistadas estas espécies, a realização de trabalhos de conservação no local através da colocação de barreiras de proteção e da redução dos fatores de ameaça e o transplante de alguns exemplares destas espécies para outros locais adequados” da RC.

As ações visam também “garantir a intervenção em duas novas espécies exóticas invasoras avistadas na região, tentando erradicar as mesmas ainda na sua fase inicial de instalação” no território nacional.

Na nota, a CIM realça que o projeto “apresenta uma enorme complementaridade com outros investimentos” nesta área a decorrer atualmente na região.

É o caso da iniciativa intitulada “Prevenção, controlo e erradicação de espécies exóticas invasoras”, aprovada pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), com que a CIM quer dar “um contributo decisivo face à perda de biodiversidade”.

“O projeto prevê ainda algumas ações de comunicação, bem como a colocação de estruturas físicas de contemplação das espécies protegidas”, conclui a Comunidade Intermunicipal, que reúne os 17 municípios do distrito de Coimbra, mais Mealhada (Aveiro) e Mortágua (Viseu).

Comente este artigo
Anterior Covid-19: Oikos lança programa para apoiar agricultores e pescadores em Moçambique
Próximo Governo sul-africano disponibiliza 700 mil hectares do Estado para exploração agrícola

Artigos relacionados

Últimas

A sustentabilidade, a digitalização e a PAC – José Palha

Hoje, no verão de 2020, alem da pandemia e da crise económica que já se instalou, na sociedade também se fala noutros assuntos, nos fogos, nos […]

Últimas

83% dos reprodutores bovinos machos de raças puras de carne foram adquiridos em 2019 nos Açores

O secretário Regional da Agricultura e Florestas anunciou que 83% dos reprodutores bovinos machos de raças puras produtoras de carne apoiados em 2019 foram adquiridos nos Açores. […]

Comunicados

Eletricidade Verde – Propostas da CONFAGRI foram atendidas

Acaba de ser publicada a alteração ao Orçamento de Estado para 2020 (Lei 27-A/2020) que contempla algumas das propostas que a CONFAGRI vem […]