Covid-19: Oikos lança programa para apoiar agricultores e pescadores em Moçambique

Covid-19: Oikos lança programa para apoiar agricultores e pescadores em Moçambique

A organização não-governamental portuguesa Oikos vai lançar uma linha de mais de 150 mil euros de apoio a agricultores, pescadores e negócios locais afetados pela covid-19 em Moçambique, foi hoje anunciado.

O programa de ajuda a iniciativas de investimento comunitárias Ayo Okhapelela, que na língua local emakhua significa “Sim! Nós protegemos”, será lançado oficialmente, na sexta-feira, em Moçambique.

De acordo com a organização, trata-se de uma linha de apoio em materiais para negócios que promovam desenvolvimento sustentável para agricultores, pescadores e empreendedores em Mogincual, Liupo, Mossuril e Ilha de Moçambique, com um valor global de mais de 150 mil euros.

As candidaturas aos apoios decorrem até 25 de outubro.

“Esta linha procura apoiar iniciativas de base que permitam aplicação das melhores práticas ambientais e geração de rendimento para pequenos empresários locais”, adianta a Oikos.

Os beneficiários serão responsáveis por um investimento de 30% do valor global, sendo os restantes 70% assegurados pela Oikos com financiamento da União Europeia e instituto Camões.

No contexto da atual crise da covid-19, a linha servirá também para garantir aos empreendedores economicamente afetados pela pandemia e que queiram adaptar as suas atividades ou diversificar investimentos com projetos ‘amigos do ambiente’, a possibilidade de acederem a materiais para os seus negócios.

A Oikos é uma organização não-governamental para o Desenvolvimento (ONGD)constituída em 1988 e que tem como missão erradicar a pobreza extrema e a promoção do desenvolvimento, nomeadamente nos países africanos de língua portuguesa.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 34 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Moçambique regista 61 mortos e 8.728 casos de infeção pelo novo coronavírus.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

CFF // LFS

O artigo foi publicado originalmente em Visão.

Comente este artigo
Anterior CEiiA e ELIO lançam nova empresa para monitorização e digitalização agroflorestal - 2 de outubro
Próximo Região de Coimbra investe 80 mil euros na preservação de plantas ameaçadas

Artigos relacionados

Comunicados

Borrego Leonor & Irmão e Bayer organizam jornada formativa sobre proteção da vinha

A Borrego Leonor & Irmão S.A. e a sua representada Bayer organizaram uma jornada formativa sobre uso sustentável de produtos fitofarmacêuticos na cultura da vinha, […]

Nacional

É do Fundão e só do Fundão. Comissão Europeia certifica a famosa cereja

A ‘Cereja do Fundão’ é desde hoje um produto com Indicação Geográfica Protegida (IGP), segundo divulgou a Comissão Europeia, que aprovou o […]

Vídeos

A sementeira de Milho, seus Custos e Emissões

Vamos este ano apresentar as emissões de CO2 equivalente e os custos da cultura do milho. […]