Refrigerantes artesanais entram no mercado português com a why not soda

Refrigerantes artesanais entram no mercado português com a why not soda

[Fonte: Why not soda]

Alemães inauguram o mercado dos refrigerantes artesanais produzidos em Portugal com LEMON’MATE. Feito de limão, chá mate e com cafeína energizante, é o primeiro sabor dos produtores de refrigerantes biológicos why not soda. A bebida já está disponível em mais de 80 pontos de venda na Grande Lisboa, no Porto e na região do Algarve.

why not soda é a marca que inaugura a entrada de Portugal no mercado dos refrigerantes artesanais (craft soda) que, segundo um estudo da Global Info Research(1), deverá crescer 5,8% nos próximos 5 anos, em todo o mundo. A startup já deu cartas no final de 2018, quando ganhou o prémio de melhor projecto não-tech no From Start-To-Table, um programa de aceleração para conceitos relacionados com o ecossistema da restauração organizado pela Startup Lisboa e apoiado pelo Turismo de Portugal, pela Delta, pela Sociedade Central de Cervejas e pela AHRESP.

Nils Schwentkowsi, Steffi Hunstock e Hendrik Raufmann são os produtores por detrás da why not soda, a marca que promete revolucionar os lineares de refrigerantes em Portugal. Com consciência de que o futuro está na utilização de produtos com certificação biológica, decidiram avançar com a produção deste refrigerante feito com produtos naturais. Isto significa que, ao beber LEMON’MATE, está mesmo a beber limão com mate.

“Quando chegámos a Portugal percebemos que o movimento de refrigerantes artesanais ainda era muito residual e que não havia marcas portuguesas. Por outro lado, o impacto ambiental de importar este tipo de produto (que é, na verdade, 95% de água) é ridículo. Mesmo sem as todas condições desejáveis, encontrámos um parceiro – a Cerveja Vadia – que nos apoiou muito nesta aventura. Então decidimos “why not” produzi-lo em Portugal?”, afirma Steffi.

Para além de trazer uma opção mais saudável para a mesa, o objectivo é introduzir variedade nos lineares de refrigerantes dos supermercados e nas opções disponíveis em bares e restaurantes. “Estávamos habituados a entrar em qualquer mercearia e ver uma quantidade grande de marcas e sabores de refrigerantes. Queremos criar um movimento de refrigerante artesanal aqui e esperamos que, em 5 anos, também tenhamos muitos sabores diferentes e artesanais para experimentar”, reforça Nils.

Nils, Steffi e Hendrik dizem-se “amantes de refrigerantes” e já em Berlim, a sua cidade de origem, tinham por hábito provar diferentes tipos de refrigerantes artesanais, tal como se faz já em Portugal, com a as cervejas artesanais. “Para nós, era hábito provar novos sabores, perceber os níveis de açúcar e saber mais sobre os ingredientes. Agora queremos fazê-lo também aqui”, afirma Steffi.

(1) in Global Craft Soda Market 2019 by Manufacturers, Regions, Type and Application, Forecast to 2024

Comente este artigo
Anterior Syngenta lança fungicida Carial Top
Próximo Seminário do Projeto AgroMEG - 20 março - Serpa

Artigos relacionados

Nacional

Apicultores reclamam mais apoios e proteção do mel português

No âmbito do XVIII Fórum Nacional de Apicultura, realizado a 9 de Setembro, em Vila Pouca de Aguiar, a Federação Nacional dos Apicultores de Portugal (FNAP) apresentou diversas propostas com vista a aumentar a competitividade do setor apícola nacional e europeu.
A principal reivindicação da Federação é o aumento dos apoios da PAC aos apicultores europeus. […]

Comunicados

SIMAB E Santiago (Cabo Verde) cooperam na modernização do agronegócio

Atualizar o diagnóstico do setor agroalimentar na Ilha de Santiago e definir a implantação e gestão de mercados abastecedores que possam integrar uma plataforma logística, uma central de compras, e um parque industrial nesta região de Cabo Verde, são objetivos do memorando de entendimento agora estabelecido entre a SIMAB, […]

Comunicados

Mercadona aumenta o investimento em 50%, chegando aos 1.504 milhões de euros, e fatura mais 6%, num total de 24.305 milhões de euros

[Fonte: Mercadona]
Depois de decidir, há dois anos, iniciar um processo disruptivo e fazer o que fosse necessário para transformar a empresa e continuar a ser a melhor opção para “o Chefe”
• Com a criação de 1.800 novos empregos estáveis e de qualidade, […]