Recursos hídricos superficiais de Alqueva EDIA monitoriza 88 pontos

Recursos hídricos superficiais de Alqueva EDIA monitoriza 88 pontos

Consciente da importância que os recursos hídricos associados a Alqueva têm para a sustentabilidade do projeto, a EDIA criou uma rede de monitorização dos recursos hídricos superficiais que inclui um total de 88 estações, 18 das quais localizadas em albufeiras e 70 em cursos de água.

Os recursos hídricos superficiais são um dos diversos descritores ambientais monitorizados de forma regular pela EDIA e os principais objetivos associados a esta monitorização são a avaliação da adequabilidade da água a diversos fins qualitativamente exigentes e a avaliação dos potenciais impactes da exploração do EFMA, tendo as primeiras campanhas sido realizadas em 2002, altura em que foram encerradas as comportas da barragem de Alqueva.

Os parâmetros monitorizados variam em função dos objetivos. No que diz respeito aos parâmetros ecológicos, nas albufeiras é monitorizado o fitoplâncton e a ictiofauna, enquanto que nos cursos de água é monitorizada a ictiofauna, os macrófitos, os macroinvertebrados e os elementos hidromorfológicos de suporte.

Através da presente monitorização têm vindo a ser obtidos um conjunto robusto de dados, os quais contribuem para aumentar o conhecimento sobre a qualidade da água e os ecossistemas aquáticos nesta tipologia de massas de água e os reais impactes associados à exploração do EFMA.

Comente este artigo
Anterior Por qué Alemania no va a aumentar, de momento, su contribución al presupuesto comunitario
Próximo Frutalmente triplica produção de romãs

Artigos relacionados

Nacional

Festival do Vinho Português e Feira Nacional da Pêra Rocha

O Concelho do Bombarral está em festa com celebração dupla no mês de agosto com o Festival do Vinho Português e Feira Nacional da Pêra Rocha. […]

Nacional

Portugal lidera na exportação de vinho

A vinha portuguesa está de parabéns. Razão? A exportação de 778 milhões de euros em vinho em 2017, fazendo com que Portugal confirme, […]

Últimas

A conta do fogo: e você, como a quer pagar? – João Adião

Não estamos a pagar a pronto um padrão aceitável de fogo – pagamos a prazo e com juros, uma elevada fatura que não apaga a dimensão trágica deste fenómeno recorrente… […]