Reações ao Pacto Ecológico, “um dos mais importantes para a Europa”

Reações ao Pacto Ecológico, “um dos mais importantes para a Europa”

Francisco Ferreira, da Zero, aplaude o facto de finalmente o documento incluir mudanças estruturais. Eurodeputados e Greepeace também já reagiram ao plano apresentado pela presidente da Comissão Europeia.

A associação ambientalista Zero saudou esta quarta-feira o anúncio do Pacto Ecológico Europeu, destacando a nova legislação climática e o compromisso com a redução dos gases com efeito de estufa. Os eurodeputados portugueses a importância do financiamento e da agricultura para o sucesso do Acordo Verde. A Greenpeace pede mais ambição.

Em declarações aos jornalistas em Madrid, onde participa na conferência do clima da ONU, o presidente da Zero, Francisco Ferreira, declarou que “há finalmente mudanças estruturais e setores como a aviação e o transporte marítimo alvos de medidas a bem não só do clima mas também de uma gestão mais sustentável de resíduos e da saúde das pessoas”.

“Este pacto é sem dúvida um dos mais importantes para a Europa e merece o nosso elogio”, afirmou Francisco Ferreira, destacando que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou “um pacote que vai dar muito trabalho ao longo do ano” e que muitas das medidas que prevê deverão ser aplicadas durante a presidência portuguesa da União Europeia, no primeiro semestre de 2021.

A primeira proposta de lei climática europeia, que deverá ser apresentada até março, “não vai ser aprovada em cem dias”, mas os europeus vão tê-la e o facto de haver um calendário obrigará a “andar muito rapidamente e bem”.

O Pacto Ecológico Europeu prevê ainda que no próximo verão a Comissão Europeia avance com um plano abrangente para reduzir em 55% as emissões de gases com efeito de estufa (face aos atuais 50%) até 2030, uma área em que “se podia ir mais longe”, ressalvou Francisco Ferreira.

O ambientalista indicou ainda que haverá tempo para a União Europeia rever as suas metas para a neutralidade carbónica a tempo de os países revelarem os seus novos compromissos no combate às alterações climáticas, o que deverá acontecer na próxima Conferência das Partes (COP26) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, que se realiza em Glasgow em 2020.

Salientou ainda o plano de ação para a qualidade do ar, sintonizado com as diretivas para valores limite de substâncias definidas pela Organização Mundial de Saúde e o fim das licenças de emissão de dióxido de carbono gratuitas para a aviação, indicando os biocombustíveis e a regulação de substâncias químicas como lacunas no pacto apresentado esta quarta-feira.

Greenpeace pede mais ambição

A Greenpeace considera que as metas climáticas propostas não correspondem ao que a ciência exige.

A associação ambientalista defende que uma redução de 50-55% da UE até 2030 é insuficiente, mesmo para cumprir a meta de 2°C.

Para limitar o aquecimento global a 1,5°C, a Comissão deverá propor uma redução de, pelo menos, 65% até 2030.

A Greenpeace pede o efetivo fim dos subsídios aos combustíveis fósseis e alerta para o risco de financiamento de indústrias e governos poluentes através do Fundo de Transição Justa.

Financiamento e agricultores preocupam eurodeputados portugueses

O eurodeputado do PSD, Álvaro Amaro, considera que os agricultores serão chave no processo de combate às alterações climáticas e não podem ser esquecidos pelo Plano Verde.

“O Plano do Campo à Mesa é muito importante, mas só teremos algo na mesa havendo agricultura e agricultores. Estes são homens e mulheres que ocupam o território, combatem o abandono rural. Como disse a senhora presidente [da Comissão], mais produtos tradicionais para a mesa significará um grande desafio para a ocupação desses espaços territoriais tantas vezes abandonados na Europa. Os agricultores europeus têm o duplo encargo de garantir a segurança alimentar e ajudar no combate às alterações climáticas. Eles são grande parte da solução.”

Para Margarida Marques, eurodeputada do PS, o Acordo Verde tem que ser um pacto para um crescimento económico sustentável da Europa. As instituições financeiras serão cruciais, sublinha.

Esta ambição está em contradição com a proposta inaceitável do Orçamento Plurianual que estará em debate amanhã no Conselho Europeu, adverte Margarida Marques.

[notícia atualizada às 21h25]

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Relação de Évora devolve à população de uma aldeia de Mértola o acesso ao rio Guadiana
Próximo Os dez pilares do Pacto Ecológico Europeu

Artigos relacionados

Últimas

IAPMEI dinamiza roadshow StartUP Voucher 2019

O IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, entre os dias 17 e 30 de Outubro, irá dinamizar um roadshow pelo País, […]

Nacional

Produção de maçã atinge 340 mil toneladas o valor mais alto desde 1986

A produção de maçã deverá atingir as 340 mil toneladas, o valor mais alto desde 1986, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE) no seu Boletim Mensal da Agricultura e Pescas – […]

Eventos

ESAC promove em 2020 mais uma edição dos cursos de poda da vinha e de fruteiras – 1 a 8 de fevereiro – Coimbra

A Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC – IPC) vai promover cursos de poda da vinha e de fruteiras que vão realizar-se a 1 e a 8 de fevereiro de 2020. […]