Quercus disponibiliza guias práticos de ervas e frutos silvestres com desconto

A Quercus — Associação Nacional de Conservação da Natureza disponibilizou no portal NaturFun um conjunto promocional de 2 Guias Práticos de Ervas e de Frutos Silvestres Comestíveis da autoria de Alexandra Azevedo, com ilustrações de Isabel Alegria e de Manuel Casa Branca.

Ambos os guias estão divididos em três secções principais de particular interesse: (1) Ervas Silvestres Comestíveis/Frutos Silvestres Comestíveis, (2) Ervas Venenosas/Plantas Silvestres com Frutos Tóxicos e (3) Receitas, e surpreendem-nos com a diversidade de plantas silvestres comestíveis existentes em Portugal e com a variedade de propostas gastronómicas que nos sugere.

Os interessados podem aceder a informação adicional e adquirir este conjunto de guias através do portal eco social NaturFun (aqui), com desconto adicional, portes de envio gratuitos para residentes em Portugal e implicando uma contribuição da Naturlink para a Associação CAIS por cada encomenda.

“Ervas Silvestres Comestíveis — Guia Prático

Na sabedoria popular consta uma longa lista de espécies de plantas silvestres usadas para fins alimentares, quer em substituição ou complemento das plantas hortícolas quer como condimento, e para fins medicinais.

Os usos condimentares e medicinais encontram-se melhor documentados, mas o mesmo não se verifica no caso das ervas espontâneas directamente comestíveis pelas suas folhas, flores, talos ou rebentos.

Este livro é um contributo para colmatar a lacuna existente e dirige-se especialmente a quem busca uma alimentação mais natural, ajudando na identificação das ervas silvestres comestíveis e dando várias sugestões de propostas gastronómicas.

Para além do grande número de fotografias que apresenta, as ilustrações artísticas de Isabel Alegria exploram o lado estético destas ervas consideradas como daninhas, revelando a sua beleza e constituindo mais um contributo para mudar o nosso olhar sobre toda a Natureza que nos rodeia.

O guia está dividido em 3 secções principais: (1) Ervas Silvestres Comestíveis, (2) Ervas Venenosas e (3) Receitas.

Para cada planta inclui pelo menos uma foto, é apresentada uma breve descrição botânica/morfológica, são indicados os seus usos culinários, eventuais partes da planta com algum grau de toxicidade e propriedades nutricionais relevantes.

As ervas silvestres comestíveis são um recurso generoso da Natureza com inúmeras potencialidades e há muito por explorar.

Ano: 2015 – 2ª edição; Tipo de capa: mole; Número de páginas: 72; Idioma: Português; Autoria: Alexandra Azevedo (texto), Isabel Alegria (ilustrações).

“Frutos Silvestres Comestíveis – Guia Prático”

Surpreenda-se com a diversidade de frutos silvestres comestíveis e com as várias propostas gastronómicas que resultaram de muitas experiências realizadas ao longo dos últimos anos.

No nosso clima temos uma considerável diversidade de plantas que de acordo com dados arqueológicos e históricos foram utilizados desde tempos remotos. A nossa sociedade industrial e profundamente urbanizada afastou-nos do contacto mais íntimo com a Natureza, pelo que a prática da recoleção de alimentos silvestres está praticamente extinta.

O Guia Prático de Frutos Silvestres Comestíveis, juntamente com o Guia Prático de Ervas Silvestres Comestíveis, dirige-se especialmente a quem busca uma alimentação mais natural e procura recuperar conhecimentos ancestrais, compilar informação útil à luz dos conhecimentos científicos actuais, aliar a tradição à inovação alimentar, por isso a edição destes trabalhos resulta de um percurso ao longo dos últimos anos de pesquisa e sobretudo de muitas experiências gastronómicas.

Para além da Introdução, o guia está dividido em 3 secções principais: (1) Frutos Silvestres Comestíveis, (2) Plantas Silvestres com Frutos Tóxicos e (3) Receitas. O nosso bosque autóctone está muito ameaçado e será preciso uma ajuda para a sua recuperação, por isso este guia disponibiliza ainda informação adicional sobre a propagação por semente de algumas espécies.

Pelas excepcionais qualidades nutricionais e abundância, a bolota, fruto das espécies do género Quercus, foi dos alimentos que constituiu a base da alimentação das primeiras populações humanas no nosso território, no entanto as suas utilizações gastronómicas são desconhecidas da maioria das pessoas actualmente, “por isso valerá a pena reflectir um pouco sobre como chegámos a esta situação, procurando compreender melhor de onde vimos e para onde vamos”, explica a autora.

Para além do grande número de fotografias que este guia apresenta, as ilustrações de Isabel Alegria e de Manuel Casa Branca exploram o lado estético destas plantas e frutos, revelando a sua beleza e constituindo mais um contributo para mudar o nosso olhar sobre toda a Natureza que nos rodeia.

Ano: 2015 – 1ª edição; Tipo de capa: mole; Número de páginas: 187; Idioma: Português; Autoria: Alexandra Azevedo (texto), Isabel Alegria e Manuel Casa Branca (ilustrações).

Agricultura e Mar Actual

O artigo foi publicado originalmente em Agricultura e Mar.

Comente este artigo
Anterior Luxemburgo recusa apoiar acordo com Mercosul se Brasil não proteger a Amazónia
Próximo Espanha: Extinto incêndio florestal que lavrava na ilha Gran Canária há 15 dias

Artigos relacionados

Últimas

Lagarta do pinheiro foi «erradicada» de escolas em Portimão

A lagarta do pinheiro processionária foi «erradicada» do Jardim de Infância das Quatro Estradas, do Agrupamento de Escola das Vendas, da Escola Básica Coca Maravilhas, […]

Últimas

Engenharia Hortícola reúne em Ponte de Lima para discutir Agricultura 4.0.

O II Simpósio Ibérico de Engenharia Hortícola (SIbEH2020) decorre de 4 a 6 de março de 2020, em Refóios do Lima, […]

Últimas

Concurso Vinhos de Portugal. Douro e Alentejo são as regiões vencedoras

A qualidade e diversidade dos vinhos portugueses voltou a ser reconhecida em mais uma edição do Concurso Vinhos de Portugal. Após a avaliação de 1.382 vinhos por especialistas nacionais e internacionais, […]