Luxemburgo recusa apoiar acordo com Mercosul se Brasil não proteger a Amazónia

Luxemburgo recusa apoiar acordo com Mercosul se Brasil não proteger a Amazónia

“O Luxemburgo não pode apoiar a assinatura do acordo [entre a União Europeia e o Mercosul, constituído por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai] se o Brasil não se preparar para respeitar as suas obrigações relativamente ao Acordo de Paris, celebrado nas negociações com a UE”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo, Jean Asselborn, num comunicado citado pela agência de notícias espanhola EFE.

O governante adiantou que, “face à desflorestação da Amazónia que causa incêndios dramáticos”, o executivo do Luxemburgo “espera que os parceiros do Mercosul respeitem mesmo antes do acordo negociado os compromissos do Acordo de Paris”.

Consequentemente, o titular da pasta dos Negócios Estrangeiros e o primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel, irão propor ao Conselho de Ministros a paralisação da decisão de ratificar o acordo de livre comércio entre a UE e o Mercosul, que ainda precisa da aprovação dos 28 Estados-membros da União Europeia para entrar em vigor.

Segundo Jean Asselborn, o Luxemburgo considera que o acordo comercial “é uma oportunidade histórica”, mas é necessária uma “mudança de direção” para garantir “o respeito à floresta amazónica, que é o pulmão do planeta”.

Por isso, pede “cooperação” para atingir as finalidades de conservação daquele espaço natural.

O acordo de livre comércio entre a UE e o Mercado Comum do Sul (Mercosul) foi fechado em 28 de junho, depois de 20 anos de negociações.

O pacto abrange um universo de 740 milhões de consumidores, que representam um quarto da riqueza mundial.

No sábado, a Irlanda também ameaçou votar contra o acordo comercial se o Brasil não tomar medidas para proteger a floresta amazónica.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo, com cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados, e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta.

Continue a ler este artigo no SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Taste Up: Programa de aceleração de turismo gastronómico e enoturismo em roadshow por 50 municípios
Próximo Quercus disponibiliza guias práticos de ervas e frutos silvestres com desconto

Artigos relacionados

Sugeridas

Ministra da Agricultura quer reforma “cirúrgica” da PAC e espera “grande acordo”

A ministra da Agricultura defendeu hoje que não é “tempo de fazer grandes reformas”, mas alterações “objetivas e cirúrgicas” que possam rapidamente ser apresentadas, reiterando […]

Nacional

PSD tem condições para aprovar proposta sobre terras sem dono conhecido

O PSD disse esta segunda-feira que a viabilização da proposta de lei do Governo sobre terras sem dono conhecido vai depender da aceitação de três iniciativas sociais-democratas, […]

Últimas

Je suis…Greta – Ricardo Freixial

A União Europeia através das reformas da PAC, possui incentivos aos agricultores para fornecerem serviços ambientais, disponibilizando aos […]