Quem não é visto não é lembrado – José Pena

Quem não é visto não é lembrado – José Pena

Recentemente uma publicação no meu LinkedIn atingiu as 13000 visualizações e acho que não foi só a minha rotina que parou para a ler ou compreender. Não consegui ainda compreender se este valor é elevado ou não para uma publicação nesta rede, pessoalmente foi um crescimento exponencial de 2000% (!) face a outras, e mais uma publicação que fiz acerca do meu quotidiano. A pergunta que os leitores devem estar a fazer neste momento é o porquê de escrever sobre isto ou qual o propósito da publicação, pois passo a explicar: é o conteúdo da mensagem e abrangência que ela teve, quer na área em que me insiro quer na faixa etária que ela teve impacto.

Passando então a explicar a publicação, é curta e objetiva, possuí uma fotografia de uma sala de ordenha de leite de vaca (da minha autoria) e um texto também da minha autoria onde explico um acontecimento real numa entrevista de emprego que tive onde foi questionada o fundamento da única experiência profissional “palpável” que disponho à data – que é a de trabalhador agrícola (e o que realmente fazia, qual a mais-valia que se podia tirar disso) – e em que eu explico o quanto essa experiência contou para prosseguir estudos e fazer da Agronomia a minha profissão e também o maior gosto pessoal com que me identifico.

Não me quero alongar muito mais na publicação, porque ela é pública e qualquer pessoa pode aceder e visualizar, queria mesmo falar acerca desta, e o que leva ao impacto: primeiro, e mais do que os números que ela atingiu, foi a faixa etária consideravelmente jovem ou jovem-adulto que se identificou com o seu conteúdo e depois acrescentou a sua opinião (os comentários merecem partilha e uma leitura cuidada) e a sua experiência pessoal e profissional; segundo, e talvez seja o cerne da questão, é os leitores da publicação reforçarem aquilo que também eu quis reforçar – toda a experiência conta e deve ser valorizada – e identificarem-se nessa mensagem, no início ou a meio dos seus percursos ou experiências que já referi em cima.

Utilizo o LinkedIn há bastante tempo, no perfil apresento informações genéricas acerca de mim e do meu percurso académico e profissional, e tento atualizar frequentemente com as vivências e conhecimentos práticos do dia-a-dia agrícola. Existe uma citação, de autor desconhecido, regularmente utilizada em marketing que diz “Quem não é visto não é lembrado”, e apesar de não ser nem achar que seja um influencer, esta é a rede que mais utilizo pela interação direta com outros profissionais e pela atualização constante que fornece sobre o sector – exigindo com isso um padrão de publicações pertinente e de vínculo próprio. O que seria mais uma publicação tornou-se na ótica do leitor um “desabafo”, mas que para mim foi algo tão real que também aconteceu com outras pessoas, e que acontece.

Não queria deixar de acrescentar uma nota mais pessoal neste artigo onde gostava de, agora sim, demonstrar um propósito e opinião que tenho assistido e sentido. Um dos comentários diz-nos que nunca devemos esconder quem realmente somos e nessa perspetiva eu procuro deixar a minha marca pessoal no que faço ou no que participo e se ao longo da vida tive que ter coragem e percepção do que ia enfrentar no futuro então tenho que mostrar o espírito e conhecimento que daí adveio pois vai ser isso que me vai distinguir no mercado para “não ser mais um” e o que poderão esperar de mim no desempenho de funções.

Queria finalizar com uma citação que certamente grande parte do meu círculo de confiança já me ouviu dizer e explica o quanto a vida é um processo contínuo de aprendizagens: Quando eu entrei na faculdade era um miúdo cheio de certezas do que queria fazer e ia ser – estava completamente errado – estudar agronomia e entrar agora no mercado de trabalho mostrou exatamente isso e os dados adquiridos tornaram-se ferramentas úteis de ter e levar para a aplicação no quotidiano.

Não ter medo de sujar as mãos para aprender e demonstrar a hombridade de assumir e questionar faz parte do meu percurso, a faculdade aprimorou e o futuro vai demonstrá-lo. Somos mais do que uma folha de currículo e certamente muitos de nós só estamos á procura de uma oportunidade para ir à luta e nos mostrarmos, temos é que criar as condições para isso, com a transparência do que somos e ao que vamos.

José Pena

Estudante do Mestrado em Engenharia Agronómica na ESA-IPVC

Sejamos agro-curiosos – José Pena

Comente este artigo
Anterior Proteger os Ecossistemas de Água Doce
Próximo Tendencia alcista en los precios de las almendras

Artigos relacionados

Últimas

Grandes reacendimentos no incêndio em Vila de Rei. Situação complicou-se na última hora

Três grandes reacendimentos estão nesta altura a preocupar os bombeiros que combatem os incêndios de Sertã, Vila de Rei e Mação, […]

Sugeridas

FENAREG propõe criar projeto-piloto de comunidades de energia solar no regadio coletivo

A FENAREG propõe ao Governo avançar com um projeto-piloto de comunidades de energia solar no regadio coletivo, visando reduzir as emissões de carbono e os custos da energia […]

Eventos

Webinars às terças: Como posso contribuir para a biodiversidade na minha propriedade? – 16 de março

Como posso contribuir para a biodiversidade na minha propriedade? […]