PSD questiona proibição da “quase totalidade” das atividades agrícolas

PSD questiona proibição da “quase totalidade” das atividades agrícolas

Os deputados do PSD consideram que esta opção governativa “colide frontalmente com o normal funcionamento da produção de alimentos, que nunca parou durante o confinamento”

O PSD questionou esta segunda-feira o Governo sobre a proibição da “quase totalidade” das atividades agrícolas devido à situação de alerta que vigora até terça-feira, e quer saber se o Ministério da Agricultura foi envolvido na decisão.

Portugal continental entrou esta segunda-feira em situação de alerta por 48 horas devido às condições meteorológicas que apontam para “significativo agravamento do risco de incêndio rural”, segundo decisão dos ministros da Administração Interna e do Ambiente e Ação Climática anunciada no domingo.

Estranhamente, entre as várias medidas foi decidida a ‘proibição de realização de trabalhos nos espaços florestais e outros espaços rurais com recurso a qualquer tipo de maquinaria, com exceção dos associados à alimentação de animais e a situações de combate a incêndios rurais’”, apontam os deputados sociais-democratas.

Para o PSD, com este despacho “a quase totalidade das atividades agrícolas estão proibidas no território nacional”.

Na verdade, sem se conhecer qualquer relação entre certas atividades agrícolas, como por exemplo a rega, os tratamentos das culturas ou a simples apanha hortofrutícola, e o risco de incêndio, o Governo optou por decretar a paragem do setor agrícola”, criticam.

Os deputados do PSD consideram que esta opção governativa “colide frontalmente com o normal funcionamento da produção de alimentos, que nunca parou durante o confinamento” e consideram que “parece totalmente desadequada à realidade da utilização de muita da maquinaria agrícola utilizada nas explorações no espaço rural, conforme é do conhecimento do Ministério da Agricultura”.

Qual o envolvimento do Ministério da Agricultura na decisão de proibir ‘qualquer tipo de maquinaria’ em espaços rurais? Qual a razão de não terem sido previstas outras exceções, como por exemplo as relacionadas com a rega?”, perguntam os deputados do PSD.

Os sociais-democratas querem ainda saber se o Governo “prevê repetir esta decisão em dias de risco elevado e muito elevado de incêndio?”, voltando a insistir na pergunta “tal decisão está articulada com o Ministério da Agricultura”.

A situação de alerta em todo o território continental vigora entre as 00h00 desta segunda-feira e as 23h59 de terça-feira.

Face às previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para um significativo agravamento do risco de incêndio rural, os ministros da Administração Interna e do Ambiente e Ação Climática determinaram este domingo a Declaração da Situação de Alerta em todo o território do Continente”, segundo um comunicado do gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

O artigo foi publicado originalmente em Observador.

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura diz que candidaturas ao PDR2020 se encontram em 'overbooking'
Próximo Incêndios: Risco máximo em cerca de 50 concelhos do interior Norte, Centro e Algarve

Artigos relacionados

Últimas

Capoulas Santos compara reforma da floresta ao projecto do Alqueva

Ministro da Agricultura defende que nunca se fez tanto como agora em termos de ordenamento florestal

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, […]

Últimas

Açores vão investir 4,5 M€ em infra-estruturas agrícolas em 2020 na Ilha de São Miguel

O secretário Regional da Agricultura e Florestas adiantou que o Governo dos Açores vai investir este ano 4,5 milhões de euros em caminhos, […]

Últimas

Florestas da Falperra, Lousã e Pinhal serão as próximas a reorganizar

Já foram selecionadas as 20 regiões onde surgirão Planos de Reordenamento e Gestão de Paisagem, para diversificar a floresta e torná-la mais resiliente ao fogo. […]