PSD quer saber se Governo vai reparar helicópteros Kamov

PSD quer saber se Governo vai reparar helicópteros Kamov

Numa pergunta dirigida ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, os parlamentares sociais-democratas lembram que da frota de meios aéreos do Estado fazem parte os helicópteros Kamov, “adquiridos em 2006 pelo Ministério da Administração Interna, liderado [então] por António Costa, e que após anos de contenda judicial com as empresas operadoras, continuam parados no hangar de Ponte de Sor, sem que se saiba qual a solução que o Governo pretende dar a estas aeronaves”.

Em janeiro, ainda na anterior legislatura, o ministro da Administração Interna revelou no parlamento que estava a ser definida a aquisição até 2023 de mais meios aéreos próprios do Estado de combate a incêndios florestais.

“O grupo de acompanhamento que envolve a Autoridade Nacional de Proteção Civil e a Força Aérea está a definir a necessidade de gradualmente, num horizonte até 2023, reforçar a componente dos meios próprios do Estado para aquisição”, disse Eduardo Cabrita aos deputados da Comissão de Agricultura e Mar, numa audição pedida pelo PCP.

Segundo o PSD, e citando o ministro, a aquisição de meios aéreos próprios de combate a incêndios até 2023 “será financiada pela União Europeia em 90%, no âmbito da participação na fase permanente do novo mecanismo europeu de Proteção Civil, o rescEU”.

Adiantou ainda que o Governo irá considerar “a candidatura portuguesa à dotação de meios próprios, designadamente aviões Canadair” e que será a Proteção Civil e a Força Aérea a decidir “qual o número de meios” que vão propor.

Nesse sentido, o PSD diz que “é importante saber qual a situação atual e futura dos Kamov que se encontram parados, designadamente se o Estado pretende, ou não, repará-los a fim de os tornar operacionais”.

O PSD questiona ainda se o Governo possui ou vai verificar o custo para a recuperação destas aeronaves e qual o orçamento estimado bem como o plano para a sua recuperação.

Os deputados perguntam ainda se existe algum estudo acerca do “custo/benefício sobre o arranjo dos Kamov versus o aluguer/aquisição de novas aeronaves”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Anterior PAN quer corredores e abrigos para abelhas em Lisboa
Próximo Bioestimulantes AlgaEnergy obtêm o prestigioso selo de ‘Solar Impulse – Soluções Eficientes’

Artigos relacionados

Últimas

Oito quilos, olhos azuis: pela primeira vez em 100 anos, nasceu um lince-euroasiático nos Pirenéus

O primeiro exemplar de lince-euroasiático (Lynx lynx) a nascer nos Pirenéus catalães em 100 anos foi esta semana apresentado ao público pelo Centro de Recuperação da Vida Selvagem de MónNatura Pirineus, um programa da Fundação Catalunya La Pedrera inaugurado em 2002. […]

Últimas

Convenção de Albufeira: rever ou não rever, eis a questão

O que é a Convenção de Albufeira?É um acordo estabelecido entre Portugal e Espanha referente às bacias hidrográficas dos rios transfronteiriços (Minho, […]

Últimas

Mesa redonda “Floresta Portuguesa: cada parcela sua sentença? – 23 de novembro – Porto

Assinalando o Dia da Floresta Autóctone, no dia 23 de novembro de 2019, entre as 18h00 e as 19h30, o Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto acolhe, […]