PSD defende verbas iguais para regiões ultraperiféricas no pós-2020

PSD defende verbas iguais para regiões ultraperiféricas no pós-2020

A eurodeputada Sofia Ribeiro (PSD) apresentou uma proposta no Parlamento Europeu (PE) a defender a necessidade de se manter no quadro pós-2020 pelo menos o mesmo envelope para o POSEI-Agricultura, programa específico de que beneficiam os Açores.

“A minha posição claramente assumida no documento apresentado no PE, e que está agora em discussão, é de rejeição de que possa haver qualquer redução do orçamento para a Agricultura”, declarou esta quarta-feira à agência Lusa a eurodeputada açoriana, que recorda que o Brexit pode condicionar as finanças da União Europeia (UE).

O POSEI – Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas contempla dois regimes: um destinado ao abastecimento daquelas regiões em produtos para o consumo direto, alimentação animal, para a indústria de transformação; e outro que estabelece medidas a favor das produções agrícolas locais.

Para Sofia Ribeiro, a saída do Reino Unido da UE vai constituir um “grande desafio”, uma vez que irá provocar uma redução de verbas para a agricultura de dez mil milhões de euros anuais, devendo os Estados-membros compensar este montante por vias que não contemplem um aumento de impostos. A parlamentar europeia do PSD, que vai ser a relatora da comissão de Agricultura do relatório de uso sustentável de pesticidas, adiantou a necessidade de salvaguardar o POSEI-Agricultura, uma vez que o POSEI-Pescas perdeu a sua autonomia e passou a integrar o Fundo Europeu dos Assuntos do Mar e das Pescas (FEAMP), garantia já dada pelo comissário Phil Hogan.

Além da manutenção de pelo menos do mesmo pacote financeiro para o setor agrícola, Sofia Ribeiro defende que o novo quadro financeiro no pós-2020 deve ser construído “sem prejuízo da manutenção dos pagamentos direitos aos agricultores” e “sem qualquer cofinanciamento por parte dos Estados-membros”. “Não se pode admitir, de forma alguma, é que os apoios europeus sejam dependentes, à ‘priori’, de um cofinanciamento por parte dos Estados-membros, o que conduziria a uma grande diferenciação entre os países com maior e menos poder económico no desenvolvimento agrícola”, declarou a eurodeputada.

Não se pode admitir, de forma alguma, é que os apoios europeus sejam dependentes, à ‘priori’, de um cofinanciamento por parte dos Estados-membros, o que conduziria a uma grande diferenciação entre os países com maior e menos poder económico no desenvolvimento agrícola.

Sofia Ribeiro

Eurodeputada do PSD

A eurodeputada, responsável pelo PE nas negociações do próximo quadro financeiro plurianual da UE, refere que já apresentou as suas linhas mestras e recolheu propostas de alteração dos eurodeputados (134), um número que considerou “manifestamente diminuto nas discussões de um projeto”, o que “indicia um largo consenso” nesta matéria.

Comente este artigo
Anterior Cotações – Frutos Secos – Informação Semanal – 25 a 31 Dezembro 2017
Próximo El optimismo de la Xunta con la subida del precio de la leche choca con el realismo de los ganaderos

Artigos relacionados

Nacional

Dimensão das explorações agrícolas portuguesas já vai em 14,1 hectares

[Fonte: Vida Rural]
A dimensão das explorações agrícolas portuguesas aumentou em 2016, assim como a produtividade. A conclusão consta do mais recente ‘Inquérito à Estrutura das Explorações Agrícolas’ do INE relativo ao ano de 2016 e que indica, ainda, que os produtores agrícolas nacionais são os mais velhos da União Europeia, […]

Últimas

REN e Cooperativa Portuguesa de Medronho são parceiros na prevenção de fogos florestais

[Fonte: Agricultura e Mar]
A REN – Redes Energéticas Nacionais e a Cooperativa Portuguesa de Medronho (CPM) estabeleceram uma parceria, que permite a dinamização do medronheiro como uma das espécies autóctones a promover junto dos proprietários de terrenos atravessados pelos corredores das linhas de transporte de energia. […]

Últimas

The Navigator Company procura oportunidades florestais em Espanha, América Latina e África

[Fonte: Agricultura e Mar]

O Grupo The Navigator Company receia a nova legislação de limitação e mesmo redução da área plantada de eucalipto. Por isso, está “também a olhar para oportunidades de desenvolver bases florestais fora de Portugal, em Espanha, América Latina e África, que possam mitigar parcialmente o impacto da nova legislação e reduzir o risco do nosso abastecimento”, […]