PSD Açores quer avaliação dos preços do produtor ao consumidor final

PSD Açores quer avaliação dos preços do produtor ao consumidor final

O candidato do PSD/Açores pelo círculo eleitoral da Terceira Rui Espínola alertou hoje para a necessidade de se conhecer “a formação dos preços dos nossos agroalimentos, de modo a existir justiça no percurso entre o produtor e o consumidor final”.

O social democrata falava durante uma ação de campanha, onde lembrou que “esta é uma preocupação que o PSD/Açores vem demonstrando ao longo dos anos, mas que as sucessivas maiorias socialistas têm impedido de colocar em prática, chumbando as nossas iniciativas”, criticou.

“No fundo, pretendemos assegurar a existência de um preço justo para os produtos agrícolas, uma vez que esse preço sofre alterações desde o produtor até ao consumidor, ou seja, queremos fazer uma reconstituição dos preços e aturar”, explicou o candidato.

Segundo Rui Espínola, os governos do PS, “teimosamente nunca quiseram implementar medidas neste sentido”, disse.

“O princípio é simples, pois ninguém sabe em concreto como são formados os preços desde o produtor ao consumidor, ou seja, a estrutura de custos de um determinado bem alimentar é desconhecida”, acrescentou.

“Todos nós, enquanto consumidores, sabemos quanto pagamos pelos produtos alimentares. E os produtores sabem o quanto recebem pela matéria-prima, mas depois há o peso dos transportes, do armazém, do distribuidor, num conjunto de etapas desde a origem até ao destino e que agravam os preços finais”, sublinhou Rui Espínola.

No seguimento de “várias propostas que o PSD já apresentou na Assembleia Legislativa, defendemos a existência de um organismo dedicado ao conhecimento da formação dos preços”, frisou o social democrata.

“Falamos de um organismo que deve ser constituído por entidades públicas e privadas, estando entre as suas competências, fornecer informação periódica sobre a estrutura de custos dos bens alimentares, assumindo-se como um barómetro de consumo”, disse ainda o candidato.

Rui Espínola concluiu, reforçando que “será um suporte essencial para a decisão de políticas mais concertantes com as realidades, e que até poderá verificar situações de dumping, como as que suspeitamos na venda de leite ao consumidor”.

Comente este artigo
Anterior Agricultura deve voltar à agenda política e pública - Ministra
Próximo Ruanda autoriza produção de canábis exclusivamente para exportação

Artigos relacionados

Últimas

Museu do Vinho de Alcobaça abre novas áreas após requalificação de 460 mil euros

O Museu do Vinho de Alcobaça inaugura esta noite novas áreas de exposição, na sequência de uma requalificação de 460 mil euros que deverá ser complementada, até 2023, com uma […]

Últimas

Aliança prevê que plantação de 25 milhões de árvores custe 50 milhões de euros

Aliança aposta na plantação de árvores como carvalhos, pinheiro bravo, eucalipto, castanheiros e nogueiras são alguns exemplos

Gabinete de imprensa da Aliança explica ao PÚBLICO como é […]

Últimas

Açores/Eleições: PAN quer “independência alimentar” e propõe isenção de IVA para produção regional

O PAN defende que a autonomia dos Açores passa “por uma independência alimentar” e por “uma independência energética”, por isso quer uma agricultura diversificada e sustentável e propõe a […]