PSD Açores diz que é imperativo acompanhar a aplicação dos fundos comunitários na Agricultura

PSD Açores diz que é imperativo acompanhar a aplicação dos fundos comunitários na Agricultura

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República Paulo Moniz reuniu hoje com a Federação Agrícola dos Açores, tendo evidenciado “a necessidade da criação de um Conselho de acompanhamento da aplicação dos fundos comunitários destinados à Região”, adiantou.

O social democrata prosseguiu assim a ronda pelos parceiros sociais, no sentido de obter contributos para a discussão do Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021), e sobre o assunto salientou que “seria muito benéfico para os Açores a existência de um organismo que desempenhasse funções de acompanhamento da aplicação de fundos comunitários”, afirmou.

“Face ao manancial de fundos que aí vem, seria uma solução concertada para acompanhar e fiscalizar a aplicação dos mesmos, sendo a Região a promove-la, mas integrando os parceiros sociais, técnicos das diferentes áreas de investimento e mesmo representantes das várias correntes políticas”, disse Paulo Moniz.

Segundo o deputado, “caberia também a esse Conselho validar as grandes opções, acompanhar e fiscalizar a aplicação dos fundos, mas também o timing em que tudo isso acontece”, explicou.

“E isso é muito importante porque, como sabemos, há fundos que acabam por não ser aplicados. Uma situação que se poderia assim corrigir no novo quadro financeiro plurianual 2021-27”, acrescentou.

O social democrata lembrou igualmente “a ameaça do corte de 3,9% nos apoios do POSEI, que significam cerca de 25 milhões de euros para as Regiões Ultraperiféricas (RUP) e 4 milhões de euros, no caso dos Açores. Pode ser uma perda significativa e que deixa a porta entreaberta a futuros novos cortes ou mesmo ao futuro desaparecimento daqueles apoios”, alertou.

Paulo Moniz falou também das falhas existentes ao nível da estratégia de exportação regional e do processo de colocação dos produtos açorianos no mercado internacional, “que tem de ser reavaliada e que deveria ser também concertada com o IAPMEI”, considera.

Ainda no âmbito do OE 2021, “foi tratada a possibilidade de contemplar o pagamento por conta e a taxa social única, que no modelo existente oneram de forma muito pesada, especialmente os jovens agricultores ou quem queira ingressar no setor”, concluiu o deputado.

Comente este artigo
Anterior Fundos das áreas da floresta e energia integrados no Fundo Ambiental
Próximo Brasil levanta embargo aos produtos lácteos dos Açores

Artigos relacionados

Nacional

Prazo para conclusão do serviço de Aconselhamento Agrícola ou Florestal prorrogado até 30 de dezembro 2020

O prazo estabelecido no n.º 5 do artigo 14.º da Portaria n.º 151/2016, de 25 de maio, para a conclusão dos serviços de aconselhamento agrícola ou […]

Últimas

Centros de Recolha Oficial de Animais de Companhia têm mais 1 M€

O Governo disponibilizou mais de um milhão de euros para apoiar a construção e modernização de Centros de Recolha Oficial de Animais de Companhia. […]

Notícias apoios

Comércio, serviços e agricultura apontam “atraso lamentável” na inclusão nos apoios

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal e a Confederação dos Agricultores de Portugal acreditam que estas atividades já deveriam ter […]