PS defende uma floresta não autóctone e quer pagar o sequestro de carbono

PS defende uma floresta não autóctone e quer pagar o sequestro de carbono

[Fonte: Expresso]

Quem plantar floresta vai poder ser pago pelo sequestro do carbono, mas o Partido Socialista quer espécies de árvores diferentes das tradicionais, mais adaptáveis às alterações do clima

A fragilidade da exposição de Portugal às alterações climáticas impõe, segundo o Partido Socialista, a introdução de espécies florestais não autóctones, mais adaptadas à nova realidade dos fenómenos extremos.

No seu programa eleitoral, o PS quer, por isso, aumentar a área florestal bem como a sua reconversão para espécies mais adaptadas ao território, tendo em vista a resiliência aos riscos, nomeadamente aos incêndios.

Os responsáveis do Partido Socialista consideram ainda determinante a criação de incentivos económicos para projetos de sumidouro florestal e outras atividades no domínio silvícola e agro-florestal que promovam o sequestro de carbono.

Mas não é tudo, pois o PS quer ainda priorizar e majorar o apoio à instalação, à gestão e à promoção da regeneração natural de áreas florestais com espécies de crescimento lento, de modo a assegurar uma acumulação duradoura de carbono atmosférico.

A introdução de espécies florestais não autóctones, mais adaptadas às novas condições climáticas, nas regiões do país mais expostas à desertificação física, visa assegurar a acumulação de carbono atmosférico, o revestimento do solo e o reequilíbrio dos círculos hidrológicos nessas regiões.

Comente este artigo

O artigo PS defende uma floresta não autóctone e quer pagar o sequestro de carbono foi publicado originalmente em Expresso.

Anterior Governo cria linha de crédito de 1 milhão de euros para agricultores de Mogadouro afetados pelo granizo
Próximo Incêndios. População de Vergão em Proença-a-Nova está assustada e preparada para o pior

Artigos relacionados

Nacional

Soalheiro abre as portas a todos os que os quiserem visitar

[Fonte: Gazeta Rural]
Com vista à valorização do potencial turístico da região da origem do Alvarinho: Monção e Melgaço, […]

Nacional

Projetos de reabilitação com fundos comunitários somam 265 milhões de euros

[Fonte: ECO – fundos comunitários]
Um conjunto de armazéns vazios, no centro histórico de Vila Nova de Gaia, […]

Nacional

Vinhos do Alentejo voltam a ser distinguidos pela Sustentabilidade

[Fonte: Vida Rural]

Os Vinhos do Alentejo acabam de ser distinguidos com o prémio ‘Apoiar o desenvolvimento de mercados ecológicos e a eficiência dos recursos’, […]