PS defende uma floresta não autóctone e quer pagar o sequestro de carbono

PS defende uma floresta não autóctone e quer pagar o sequestro de carbono

Quem plantar floresta vai poder ser pago pelo sequestro do carbono, mas o Partido Socialista quer espécies de árvores diferentes das tradicionais, mais adaptáveis às alterações do clima

A fragilidade da exposição de Portugal às alterações climáticas impõe, segundo o Partido Socialista, a introdução de espécies florestais não autóctones, mais adaptadas à nova realidade dos fenómenos extremos.

No seu programa eleitoral, o PS quer, por isso, aumentar a área florestal bem como a sua reconversão para espécies mais adaptadas ao território, tendo em vista a resiliência aos riscos, nomeadamente aos incêndios.

Os responsáveis do Partido Socialista consideram ainda determinante a criação de incentivos económicos para projetos de sumidouro florestal e outras atividades no domínio silvícola e agro-florestal que promovam o sequestro de carbono.

Mas não é tudo, pois o PS quer ainda priorizar e majorar o apoio à instalação, à gestão e à promoção da regeneração natural de áreas florestais com espécies de crescimento lento, de modo a assegurar uma acumulação duradoura de carbono atmosférico.

A introdução de espécies florestais não autóctones, mais adaptadas às novas condições climáticas, nas regiões do país mais expostas à desertificação física, visa assegurar a acumulação de carbono atmosférico, o revestimento do solo e o reequilíbrio dos círculos hidrológicos nessas regiões.

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Governo cria linha de crédito de 1 milhão de euros para agricultores de Mogadouro afetados pelo granizo
Próximo Incêndios. População de Vergão em Proença-a-Nova está assustada e preparada para o pior

Artigos relacionados

Últimas

“Turbovacas” alemãs: uma “distopia” genética em nome da eficiência industrial?

Será ético “melhorar” organismos vivos, como animais e plantas, em prol da conveniência humana e do lucro? É sobre esta questão, […]

Comunicados

CNA e MARP reclamam reconhecimento do papel da mulher agricultora no Estatuto da Agricultura Familiar e Serviços Públicos de qualidade no Mundo Rural

A CNA – Confederação Nacional da Agricultura e a MARP – Associação das Mulheres Agricultoras e Rurais Portuguesas, sua filiada, participam já no […]

Últimas

Webinar “Cultivar no Centro”: produzir no campo, vender na cidade – 25 de novembro

A ADACB – Associação Distrital dos Agricultores de Castelo Branco, na qualidade de líder do projeto “produzir no campo, vender na cidade”, vai realizar no próximo dia 25 de novembro, às […]